Dr. Zahi Hawass diz se arrepender de ter assumido Ministério em 2011

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Mais de dois anos após assumir o Ministério das Antiguidades Egípcias e ser exonerado semanas depois, o Dr. Zahi Hawass finalmente comentou acerca da sua decisão de assumir o cargo oferecido pelo ex-ditador Hosni Mubarak, “O posto de Ministro do Estado para as Antiguidades foi a pior coisa que aconteceu na minha vida” afirmou nesta terça-feira (09 de julho de 2013).

Acusado de crimes de corrupção e contrabando de peças arqueológicas, Dr. Zahi Hawass foi inocentado pela justiça egípcia, mas ainda sofre por ter sido partidário do ex-ditador e por ter sonegado informações acerca dos artefatos roubados no Museu Egípcio do Cairo durante as manifestações de 2011.

Restauração das peças do Museu Egípcio

Com a vitória de ontem (11 de Fevereiro de 2011) da população em expulsar Hosni Mubarak do poder os egípcios começam pouco a pouco a retornar a normalidade. Muitos já voltaram ao trabalho, outros fazem mutirões para limpar as ruas. Mas desde que os protestos estavam ocorrendo restauradores já estavam trabalhando para tentar consertar os estragos feitos pelos criminosos que entraram no Museu do Cairo no dia 28 de Janeiro de 2011.

 

[cincopa AkBABf6_VqUe]

“Seja bem vindo Egito”

Ontem quando fiquei sabendo da renuncia de Mubarak a ficha demorou a cair por vários minutos. Fiquei de olho na CNN o tempo todo esperando que alguém desmentisse, mas o que vi foram fogos de artifício, gritos de alegria e por fim muitas pessoas voltando para casa com os seus carros sendo “abençoados” pela bandeira egípcia.

Euforia, revolução e vitória, estas são, dentre tantas, as palavras que descreveram o dia de ontem… Ontem que já tinha sido decidido que iria se chamar “dia dos mártires” em homenagem as pessoas que morreram durante os confrontos e que agora muitos acreditam que por um intermédio divino olharam pela revolução.

 

Este foi um protesto legítimo e, apesar de alguns grupos que usaram de má fé o propósito, foi simplesmente elegante no sentido que todos mantiveram um respeito mútuo e pessoas de várias idades e ambos os sexos dormiram durante dezoito dias debaixo do mesmo Sol e da mesma Lua, astros que outrora abençoaram os seus antecessores otomanos, romanos, macedônios, persas, núbios e egípcios da era faraônica. O Cairo se mostrou grande, mas não por sua universidade antiga, sua linguagem ou cultura, mas por seu povo que na esperança de um futuro mais justo rezou lado a lado com pessoas de religiões distintas. Foi lindo ver católicos e mulçumanos, um ao lado do outro, como verdadeiros irmãos olhando para o céu segurando seu crucifixo e corão. Há algo mais legítimo do que isto?

Mubarak fez muito por seu país, isto não podemos negar, mas ele tirou muito mais do seu próprio povo: prisões, inflação, salários desonestos, corrupção e mentiras. Maldades irreparáveis que alimentaram ainda mais o sentimento de impunidade no coração de muitos jovens que estavam crescendo sonhando com uma melhor perspectiva de vida.

O dia 25 de Janeiro (como agora carinhosamente mencionamos de #25JAN – uma tag no Twitter -) será lembrado como o dia em que um povo pacífico e surrado foi as ruas e levaram consigo variados tipos de gente com a esperança de uma vida mais digna e o dia 11 de Fevereiro como o dia em pessoas que gritavam pela a liberdade e esperavam pacientemente em uma praça, agora mundialmente famosa, receberam a notícia do fim de três décadas de um governo repressor.

Fiquei feliz ontem por dois motivos, um pela a coragem egípcia e outro durante a entrevista de um egípcio que dizia que eles logo vão conseguir se reerguer e dentre tantas coisas iriam recuperar quaisquer peças arqueológicas que tenham sido roubadas. Seu nome é Mohamed Habib e ele é só uma fina linha de toda a emoção destes maravilhosos africanos que neste início de ano surpreenderam o mundo de diversas formas.

Talvez seja muito cedo falar “seja bem vido a democracia Egito”, mas foi a esperança que deu sucesso aos protestos e ela tem que continuar em vigor em nome de um bem maior, que é a liberdade.

 

Parabéns Egito (#CongratsEgypt), vocês conseguiram!

 

Márcia Jamille N. Costa

 

Incendiários ameaçam o Museu Egípcio

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Estão ocorrendo uma série de protestos contra o governo do atual presidente egípcio Hosni Mubarak. Hoje a internet e as linhas de telefone foram desligadas, além de ter sido decretado toque de recolher em todo o país. Mesmo assim as manifestações no Cairo começaram no horário da tarde: carros e escritórios foram vandalizaram e em Alexandria a cede do governo foi incendiada. 

O Nobel da paz e apoiador declarado dos protestos, Mohamed El-Baradei, chegou ontem (27/01/2011) ao Egito e hoje foi posto em prisão domiciliar. Antes de ser enclaustrado El-Baradei fez uma forte incitação via Twitter:  

“Nós vamos continuar a exercer o nosso direito a protestar de forma pacifica e restabelecer a paz e a dignidade. A violência vai se voltar contra o regime” [Trad. GloboNews].

Embora a internet tenha sido inviabilizada, fora do país muitas pessoas trocaram informações via Twitter – o que pôs a palavra “Egipto” e “Mubarak” no Twitter Trends (quando uma palavra entra no TT quer dizer que está sendo muito citada entre os usuários) – e a notícia de que algumas pessoas ameaçaram incendiar o Museu Egípcio do Cairo logo foi espalhada. Outra ameaça era de que existia um plano de saquear o museu. Alguns dos protestantes fizeram um escudo humano para evitar a invasão, mas foram agredidos por possíveis incendiários. A informação que se tem até agora é de que o exército tomou o local e que montou guarda na área a fim de proteger o Museu Egípcio do Cairo e o patrimônio arqueológico lá guardado que compreende múmias reais, objetos cotidianos da era faraônica e o espólio funerário do faraó Tutankhamon.

 

Museu Egípcio do Cairo. Disponível em < http://wingstoafrica.com/egyptian-museum-cairo-2.html > Acesso em 28 de Janeiro de 2011.

 

Fonte:

Acompanhei algumas das mensagens do protesto via Twitter, mas a GlogoNews TV está fazendo uma cobertura geral.

Veja também:

Guardian: http://www.guardian.co.uk/news/blog/2011/jan/28/egypt-protests-live-updates (com atualizações ao vivo).