Perguntas #4 Bobagens sobre o Egito Antigo e colegas arqueólogos

Está no ar o último vídeo do ano em que respondo as perguntas enviadas por vocês. Desta vez as questões abrangeram desde o calendário egípcio a bobagens que inventam sobre a antiguidade egípcia. Espero que curtam muito!

Para saber um pouco mais sobre esta imagem clique aqui.

Lembrando que já estamos quase batendo a nossa meta de 3.000 inscritos (evento em que liberarei um vídeo sobre amuletos egípcios).

Youtube | Facebook | Instagram | Twitter

As questões respondidas:

1 – O que acha do Período Ptolomaico; Período e tema favorito?

2 – Qual foi a coisa mais ridícula que ouviu/leu sobre o Egito Antigo?

3 – Como era o calendário egípcio?

4 – De onde eram as pedras das pirâmides; Você acredita que ainda pode ocorrer alguma grande descoberta; Conhece outros arqueólogos?

5 – Como os arqueólogos sabem a pronuncia dos hieróglifos; As mulheres casadas ganhavam o sobrenome do marido?

Caso seja do seu interesse assistir aos vídeos de perguntas e respostas anteriores é só clicar aqui.

Feliz Natal!

Entrevista: Perfil Arqueológico, com Márcia Jamille

No quadro “Perfil Arqueológico”, do canal Olhar de Arqueólogo, serão entrevistados acadêmicos de diferentes locais, origens e formações, para saber um pouco sobre suas experiências e como surgiu o seu interesse pela Arqueologia.

Fui a primeira entrevistada do quadro, até comentei sobre este dia no blog #AEgípcia.

— Saiba mais: Fui entrevistada para o “Olhar de Arqueólogo” https://goo.gl/JdKczY

Foto: Fernanda Libório. 2016.

No vídeo falo sobre como me interessei por Arqueologia e Antiguidade egípcia. Como foi a minha principal pesquisa e perspectivas para o futuro. Confira abaixo:

Obrigada ao Olhar de Arqueólogo, na figura do Luis Felipe, pelo convite.

Museu Casa de Howard Carter (Museum Howard Carter’s House)

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

 

A casa do arqueólogo Howard Carter, o responsável pela descoberta da tumba de Tutankhamon em 1922, está localizada no lado oeste de Luxor, um pouco antes da entrada para o Vale dos Reis e esteve por longo período sem uso. Para contornar este problema, durante a gestão do Dr. Zahi Hawass no SCA foi decidido que o local seria transformado em um museu onde os visitantes poderiam caminhar por suas salas, escritório, estúdio de fotografia, cozinha e quartos [1].

A importância desta residência se dá pelo o momento histórico ao qual ela fez parte: foi lá que Carter ficou hospedado durante seus trabalhos de catálogo dos artefatos da tumba, que provavelmente algumas das fotografias do túmulo foram reveladas e onde realizou praticamente todas as suas anotações das impressões que ele tinha do sepulcro, dos funcionários, visitantes, dos métodos de pesquisa e por fim acerca do próprio Tutankhamon.

Abaixo fotografias do local:

Casa do Arqueólogo Howard Carter em Luxor. Disponível em . Acesso em 05 de outubro de 2013.

Casa do Arqueólogo Howard Carter em Luxor. Disponível em < http://worldoutthere.net/luxor-guide-our-egypt-insiders-top-five >. Acesso em 05 de outubro de 2013.

 

Escritório de Howard Carter em sua casa em Luxor. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2013.

Escritório de Howard Carter em sua casa em Luxor. Disponível em < http://www.tripadvisor.co.uk/Attraction_Review-g294205-d1637143-Reviews-Howard_Carter_House-Luxor_Nile_River_Valley.html >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

 

Escritório de Howard Carter em sua casa em Luxor. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2013.

Escritório de Howard Carter em sua casa em Luxor. Disponível em < http://enjoyluxor.wordpress.com/tag/lord-carvarnon/ >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

 

Uma das salas de Howard Carter em sua casa em Luxor. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2013.

Uma das salas de Howard Carter em sua casa em Luxor. Disponível em < http://androidtravel.com/mustsee/showPlace.php?id=25436&name=Howard%20Carter%20House, >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

 

Detalhe de parede na casa de Howard Carter em Luxor. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2013.

Detalhe de parede na casa de Howard Carter em Luxor. Disponível em < http://enjoyluxor.wordpress.com/tag/lord-carvarnon/ >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

 

Objetos na casa de Howard Carter em Luxor. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2013.

Objetos na casa de Howard Carter em Luxor. Disponível em < http://enjoyluxor.wordpress.com/tag/lord-carvarnon/ >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

 

Máquina de escrever de Howard Carter. Foto: Tim Beddow. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2013.

Máquina de escrever de Howard Carter. Foto: Tim Beddow. Disponível em < http://hollisterhovey.blogspot.com.br/2010/11/castle-carter.html >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

 

Cômodo da casa de Howard Carter. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2013.

Cômodo da casa de Howard Carter. Disponível em < http://egyptsitesblog.wordpress.com/2010/03/11/castle-carter-deir-el-bahri/ >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

 

Uma das salas de Howard Carter em sua casa em Luxor. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2013.

Uma das salas de Howard Carter em sua casa em Luxor. Disponível em < http://enjoyluxor.wordpress.com/tag/lord-carvarnon/ >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

 

Carter faleceu em 1939 na Inglaterra, 17 anos após a tumba ter sido descoberta. A casa então permaneceu em um longo estado de abandono até ter sido reformada e finalmente transforma no museu.

 

Curiosidades:

◘ De acordo com um dos comentários no site Tripadvisor, dentre os objetos pessoais de Carter expostos está o seu diário aberto na página da sua anotação comentando a morte do Lorde de Carnarvon.

◘ Na exposição é possível também encontrar a câmera original de Harry Burton, o fotografo oficial da descoberta da KV-62

◘ A famosa fotografia do Lorde Carnarvon sentado acomodado em uma poltrona foi registrada na varanda da residência.

◘ Em 2009 o Dr. Zahi Hawass anunciou que seria possível a qualquer interessado alugar a casa em 2010 para passar a noite do aniversário da descoberta da tumba de Tutankhamon (4 de novembro) por 20,000 dólares [2].

 

Referências:

[1] Howard Carter’s House and Luxor. Disponível em < http://www.drhawass.com/blog/howard-carters-house-and-luxor >. Acesso em 05 de outubro de 2013.

[2] Opening of the Carter Dig House, Luxor, Egypt. Disponível em < http://luxor-news.blogspot.com.br/2009/11/opening-of-carter-dig-house-luxor-egypt.html >. Acesso em 06 de outubro de 2013.

FAQ: As perguntas frequentes realizadas pelos leitores do A.E.

Criei este FAQ inspirada em algumas das questões que já recebi de algumas (ns) leitoras (es) do A.E.. Caso seja necessário farei up-dates.
As respostas que coloquei aqui são superficiais. Não procurei destacar as visões e contribuições de escolas teóricas porque o intuito desta lista é sanar dúvidas iniciais acerca da Arqueologia, especialmente para aquelas (es) que não possuem muita noção da disciplina.

  1. O que é Arqueologia?

Ela encontra-se na enseada das Ciências Humanas. A definição varia de acordo com a escola teórica ou a política de gestão do artefato. A que eu sigo a define como o estudo do passado humano através da sua Cultura Material e Imaterial. A ideia de “passado” também varia com a escola, para alguns é válido somente aquele de cem (100) anos atrás, mas na minha definição, como de muitos outros colegas, o “passado” se constrói a cada segundo, assim, deste ponto de vista, não é feita uma distinção onde “o mais antigo é o mais importante”, mas que devemos tratar todos os artefatos com respeito e dedicação.

Limpeza de urnas funerárias egípcias. Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Limpeza de urnas funerárias egípcias. Imagem disponível em < http://minufiyeh.tumblr.com/post/30410299584/a-good-days-work >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

Uma das coisas que o interessado na Arqueologia precisa manter clara é que esta ciência estuda as relações humanas, ou seja, tudo o que tem a ver/esteve em contato com o ser humano entra no campo de estudo da Arqueologia.

  1. O que são artefatos?

Eles são os produtos das mãos e mente humanas e as principais evidências utilizadas para as análises (as quais se espera que sejam sistemáticas). Não é totalmente aceito, mas algumas escolas teóricas definem como artefatos ossos trabalhados (que foram pintados, raspados, etc), múmias e paisagens (fisicamente modificadas ou que atendem um propósito simbólico).

  1. O que são sítios arqueológicos?

São os lugares onde estão os artefatos, mas embora pareça simples defini-los, o seu conceito, assim como a Arqueologia, depende da escola teórica e também da política de gestão de artefatos do país. A UNESCO só considera sítios arqueólogos os espaços que tenham se formado em um intervalo anterior a cem (100) anos, o que é um problema, uma vez que auxilia nas atividades de Caçadores de Tesouros. Um exemplo foi o que sofreu o Titanic que antes do naufrágio ser transformado em um sítio arqueológico recebia visitas de saqueadores. No próprio filme “Titanic”, de 1997, os homens que estão atrás do colar “Coração do Oceano” são saqueadores de sítios (existe inclusive um pequeno debate moral no filme do personagem do caçador Brock Lovett que se mostrava somente interessado na joia que procurava, mas nunca tinha parado para pensar na história das pessoas que tinham morrido no naufrágio).

Sítio arqueológico submerso em Alexandria (Egito). Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Sítio arqueológico submerso em Alexandria (Egito). Imagem disponível em < https://www.facebook.com/photo. php?fbid=151769511413&set=a. 151764136413.141030.150542331413 &type=3&theater >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

Sítio arqueologico na área de Quesna (Egito). Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Sítio arqueologico na área de Quesna (Egito). Imagem disponível em < http://minufiyeh.tumblr.com/post/30264937911/walkabout-at-quesna >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

O senso comum considera sítios arqueológicos espaços de amplas necrópoles como o platô de Gizé, mas isto é um erro comum. A presença de somente um artefato já define o local como um sítio arqueológico.

  1. Arqueólogos (as) escavam dinossauros?

Sinto muito, mas não escava dinossauros, este é o trabalho dos (as) Paleontólogos (as). Felizmente eu raramente escuto/leio esta pergunta, na verdade como estou estudando tudo voltado mais para o Antigo Egito a pergunta mais corriqueira é se “Ainda tem o que se descobrir?”, mas os meus colegas das demais Arqueologias são sempre questionados acerca dos dinossauros. Eu até que gosto de ossos de dinossauros, mas o máximo que cheguei perto foi em um museu. Definitivamente não faz parte da enseada da Arqueologia.

  1. Onde posso estudar Arqueologia?

Aqui no Arqueologia Egípcia disponibilizei uma lista de Universidades onde é possível cursar. Não coloquei um link direto para os Núcleos e Departamentos porque não é incomum que os endereços mudem: http://arqueologiaegipcia.com.br/category/onde-estudar/cursos-de-arqueologia%E3%80%8C-brasil-%E3%80%8D/

  1. Como faço para entrar nestas Universidades?

Depende. Na página de cada uma delas provavelmente existe uma explicação acerca do meio de ingresso e se elas são pagas.

  1. Qual a melhor Universidade para se estudar Arqueologia no Brasil?

Depende do que você planeja estudar. Naturalmente não conheço o nível de todas as Universidades e não sei dizer qual é a melhor porque é relativo. Acho a Universidade onde estudei maravilhosa, mas outros acreditam que ela é horrível, então é subjetivo.

  1. O que precisamos fazer para ser um (a) bom (boa) arqueólogo (a)?

Isto também é subjetivo. Particularmente acredito que para ser um (a) bom (a) arqueólogo (a) primeiramente tem que ter ética, já que na maioria das vezes somos as vozes de pessoas que já morreram. Em segundo tem que estudar muito porque a Arqueologia não é somente escavar, é todo um trabalho que envolve conhecimentos de bases legais, teóricas, metodológicas e técnicas. Por último tem que ter engajamento para aprender com os seus próprios erros e os erros dos outros.

Mohamed Abd el-Maguid em sua palestra acerca das escavações em Alexandria. Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Mohamed Abd el-Maguid em sua palestra acerca das escavações em Alexandria. Imagem disponível em < http://deltasurvey.tumblr.com/post/46073975675/the-problems-of-archaeology-in-alexandria >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

  1. Qual a diferença entre Egiptologia e Arqueologia?

Já expliquei isto neste texto: http://arqueologiaegipcia.com.br/2013/08/31/egiptologia/

  1. Preciso cursar uma Universidade para me especializar em Egiptologia?

Claro, caso contrário você será considerado um (a) amador (a). No Brasil não existe uma cadeira de Egiptologia, mas é possível se especializar na área apresentando uma conclusão de curso com um assunto da Egiptologia.

  1. E no Brasil existem sítios Arqueológicos?

Naturalmente qualquer lugar que foi ou é habitado por humanos possuem sítios arqueológicos.

  1. Quanto ganha um profissional da Arqueologia?

De uma forma generalista entre R$1.300,00 a R$3.000,00.

  1. Devo estudar História primeiro para depois cursar Arqueologia?

Antigamente era assim porque não existiam graduações em Arqueologia (exceto o extinto curso da Estácio de Sá), mas a verdade era que um (a) graduado (a) em qualquer área poderia ingressar em uma Pós-Graduação em Arqueologia. História era o comumente escolhida devido ao objeto de estudo em comum, o passado. Porém é mito acreditar que ambas estas disciplinas são iguais. História e Arqueologia são diferentes, especialmente nos métodos de trabalho. Somado a isto atualmente com as graduações não existem mais justificativas em se adentrar em um curso aleatório para somente depois ir para a Arqueologia.

  1. Só homens podem estudar Arqueologia?

Este é mais um mito. Qualquer um pode estudar Arqueologia. Além do mais é surpreendente notar que a maioria dos profissionais da Arqueologia costuma ser do sexo feminino (muito se comenta acerca, mas isto é dedução, seria interessante a realização de uma pesquisa), mas mesmo assim é considerada pelo senso comum uma profissão exclusivamente masculina.

Lisa Yeomans (zooarqueologa). Exploration Society's Expedition. Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Lisa Yeomans (zooarqueologa). Exploration Society’s Expedition. Imagem disponível em < http://minufiyeh.tumblr.com/post/31815542135/a-busy-first-week >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

Na ordem: Joanne Rowland, Salima Ikram e Lisa Yeomans. Todas arqueólogas. Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Na ordem: Joanne Rowland, Salima Ikram e Lisa Yeomans. Todas arqueólogas. Imagem disponível em < http://minufiyeh.tumblr.com/post/32825953749/the-last-week >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

  1. Encontrei um artefato que acredito ser antigo. O que devo fazer?

Entrar em contato com o órgão responsável pela fiscalização dos sítios arqueológicos do país. No Brasil é o IPHAN, no Egito é o MSA.

  1. Mas o meu interesse é vender este artefato.

O comércio e posse de artefatos arqueológicos é um crime previsto por lei tanto no Brasil, como no Egito. Por tanto, quando você encontrar pessoas em sites de compras tentando vender o que alega ser um artefato deve denunciar o mesmo. Sites como Ebay e Mercado Livre possuem tópicos para denúncia mais ou menos assim: “Tentativa de venda de objetos cujo comércio é proibido”. No MASP (São Paulo) possuem feiras que alegam ser de antiguidades, o que é antiético. Eu ainda não entendo qual o motivo delas ainda serem permitidas, e justamente em um dos cartões postais da cidade.

  1. Mas quero muito vender artefatos, comprei até um detector de metais. Eu assisti programas na TV em que as pessoas comercializam coisas antigas.

O comércio de artefatos arqueológicos é considerado amoral. Eles fazem parte da história de toda uma comunidade, desta forma é egoísmo comprá-los e mantê-los como um objeto de apresso pessoal. Além do mais, estes artefatos costumam ser frutos de roubos ou lavagem de dinheiro. Para variar os saqueadores (Caçadores de Souvenir ou Caçadores de Tesouros) sempre deixam um rastro de destruição em sítios arqueológicos e comprometem parcialmente ou totalmente a interpretação do passado. Tanto os saqueadores, como os compradores fazem um desfavor para a Ciência e para a Humanidade.

Porém existem casos em que as peças faziam parte de um acervo adquirido antes da Convenção da UNESCO de 1972, o que permite seu comércio. Alguns colecionadores responsáveis e de acordo com a lei são capazes de manter a integridade de um artefato arqueológico.

Existem pessoas que se entregam ao fascínio de ter uma peça antiga em casa, mas raramente se dão conta de que alguns objetos necessitam de uma manutenção constante e não dificilmente cara, uma vez que deve ser realizada por profissionais.

 18. Tenho uma graduação em outra área, mas eu quero trabalhar com Arqueologia. Devo fazer vestibular novamente?

Depende:

a)      Você pode optar por uma formação base em Arqueologia, então naturalmente tem que prestar vestibular para cursar Arqueologia.

b)      Ou você observa nos editais dos cursos de Pós-graduação se é possível se inscrever mesmo sendo de outra área. No entanto, alguns cursos pedem que o aluno apresente um projeto de pesquisa no ato da matrícula, desta forma, um conhecimento prévio de Arqueologia se faz necessário.

 

Encontro de arqueólogos egípcios no MSA

O Ministério de Antiguidades do Estado (MAS), Egito, organizou um encontro entre arqueólogos egípcios que durou quatro dias (terminado ontem, 16 de Junho de 2011) sendo agora o quadro de participantes menos específico, abordando então a interdisciplinaridade da profissão.

O evento teve como intenção discutir os roubos – e as tentativas frustradas de saques – que ocorreram durante as manifestações que tomaram conta do Egito entre o mês de Janeiro e Fevereiro, além de assistir aos trabalhos realizados pelos profissionais da área.

 

 

Encontro de arqueólogos egípcios no MSA. Disponível em < http://www.drhawass.com/blog/scientific-gathering-egyptian-archaeologists-msa> Acesso em 16 de Junho de 2011.

 

 

Este evento é importante não só pelo o fato de ser o primeiro do estilo realizado no Egito após a revolução, mas por ter contato com arqueólogos de diferentes idades e especialidades.

 

Fonte da notícia: Scientific Gathering for Egyptian Archaeologists at the MSA. Disponível em < http://www.drhawass.com/blog/scientific-gathering-egyptian-archaeologists-msa> Acesso em 16 de Junho de 2011.

【 ATENÇÃO 】Profissão de arqueólogo

Audiência para regulamentação da profissão de arqueólogo

 

O Ministério Público Federal vai realizar no dia 5 de abril de 2011 uma audiência pública para discutir a regulamentação da profissão de arqueólogo aqui no Brasil. A reunião irá ocorrer no auditório da Procuradoria em São Paulo (Rua Peixoto Gomide, 768, térreo, Cerqueira César – São Paulo – SP) às 9h00 com acesso livre aos interessados e sem necessidade de inscrição prévia.

Estarão presentes o Ministério Público Federal, a Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), o Instituto do Patrimônio Histórico e Arqueológico Nacional (IPHAN), os Ministérios da Cultura, Educação e do Trabalho e a deputada federal Sandra Rosado.

 

Para mai informações:

Edital – Audiência Pública – Profissão de Arqueólogo

# 18/03/11 – MPF realizará audiência pública para discutir regulamentação da profissão de arqueólogo

 

 

Hawass se reúne com arqueólogos

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

O Dr. Zahi Hawass abriu um dialogo com os representantes dos protestos dos recém formados em Arqueologia que ocorreu em frente a cede do Supremo Conselho de Antiguidades. A reunião foi feita de improviso e acompanhada por um pedido de desculpas por parte dos arqueólogos que levaram flores ao recém nomeado ministro. Durante a reunião que ocorreu nesta segunda feira, 21 de fevereiro de 2011, Dr. Hawass anunciou que em março desde ano abrirá nomeações para cargos que deverão atender a cerca de 900 pessoas, dentre arqueólogos e restauradores.

De acordo com a fonte Dr. Hawass já antes de tornar-se ministro tinha planos no Supremo Conselho de Antiguidades para dar emprego aos recém-graduados do país abrindo um pedido de financiamento para a causa. Em seu blog Hawass comentou:

“Eu também gostaria de esclarecer a situação dos muitos jovens que tem protestado em frente ao escritório do Ministério de Assuntos de Antiguidades, exigindo trabalho. Por um lado, eu estou emocionado de ver quantos jovens estão obtendo gral em arqueologia ultimamente; Eu vejo isto como uma homenagem a forma como a conscientização entre os egípcios acerca da importância do patrimônio cultural egípcio tem aumentado nas últimas décadas. Por outro lado, assim como não foi possível para o Ministério da Cultura contratar todos estes recém graduados, ainda não é possível para o nosso novo Ministério de Assuntos de Antiguidades contratar todos com um diploma em Arqueologia.  A realidade é que pessoas de todas as profissões, e de todo o mundo, precisam de trabalho. Como todo mundo sabe, obtenção de um gral em um determinado assunto nunca é uma garantia de um trabalho nesta área”.

No sentido de cursos de capacitação de Arqueólogos Hawass de fato deve receber o seu crédito, afinal, o Supremo Conselho de Antiguidades sob sua direção fez anteriormente alguns cursos de formação de arqueólogos, e faz parte do projeto deles, inclusive, a integração de arqueólogos nacionais no campo de trabalho do país, uma vez que é um número absurdamente pequeno ainda de profissionais da área nativos do próprio Egito.

Dr. Hawass também se explicou sobre aceitar o cargo de Ministro dado por Mubarak:

Quando eu fui nomeado primeiro Ministro de Assuntos das Antiguidades, eu pensei que meu mandato poderia ser muito curto, dada a situação política. Eu não me importava; Eu estava apenas feliz que o serviço de antiguidades tinha finalmente recebido a independência, e que não seria mais do Ministério da Cultura.

Abaixo fotos da reunião:

Arqueólogos se reúnem no dia 21 de fevereiro de 2011 com dr. Zahi Hawass. Fotos disponibilizadas pelo próprio Hawass em seu Facebook. Acesso em 22 de Fevereiro de 2011.

Arqueólogos se reúnem no dia 21 de fevereiro de 2011 com dr. Zahi Hawass. Fotos disponibilizadas pelo próprio Hawass em seu Facebook. Acesso em 22 de Fevereiro de 2011.

Arqueólogos se reúnem no dia 21 de fevereiro de 2011 com dr. Zahi Hawass. Fotos disponibilizadas pelo próprio Hawass em seu Facebook. Acesso em 22 de Fevereiro de 2011.

Arqueólogos se reúnem no dia 21 de fevereiro de 2011 com dr. Zahi Hawass. Fotos disponibilizadas pelo próprio Hawass em seu Facebook. Acesso em 22 de Fevereiro de 2011.

Arqueólogos se reúnem no dia 21 de fevereiro de 2011 com dr. Zahi Hawass. Fotos disponibilizadas pelo próprio Hawass em seu Facebook. Acesso em 22 de Fevereiro de 2011.

Fonte:

Apologies from, and good news for, the protesters. Disponível em < http://www.youtube.com/watch?v=l8C8M335cJE&feature=player_embedded > acesso em 22 de Fevereiro.

Uplifting News. Disponível em < http://www.drhawass.com/blog/uplifting-news > acesso em 22 de Fevereiro.

Arqueólogos mexicanos retornam ao Egito

 

Por Márcia Jamille N. Costa

Após cinco temporadas de escavações no Egito em um trabalho de restauro e interpretação iconográfica a equipe mexicana responsável pelas pesquisas na tumba tebana 39 (TT-39) irá retornar ao nordeste da África para a sua sexta temporada em setembro deste ano (2010) e objetiva em 2013 abrir o sepulcro para a visitação pública.

Fonte: INAH

Fonte: INAH

 A TT-39 é a tumba de um sacerdote da 18ª Dinastia e é a primeira recuperada por mexicanos que será aberta para a apreciação. Dentre os objetos resgatados durante as escavações foram encontrados fragmentos de cerâmica, líticos, ervas e flores secas.

 

Fonte: INAH

 O trabalho está sendo comandado pela Dra. Angelina Macias Goytia, do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do México.

(Artdaily.org)