Tutankhamon terá notáveis substitutos no Museu Egípcio do Cairo

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Os artefatos retirados da tumba do faraó Tutankhamon são singulares e têm servido para mostrar a grandiosidade do Egito. Desde a sua descoberta, há quase 100 anos, os artefatos de Tutankhamon (18ª Dinastia; Novo Império) têm preenchido o Museu Egípcio do Cairo sendo exibidos lá. Porém, eles mudarão de lar, passando a compor o acervo do Grand Egyptian Museum, em Gizé. Cuja inauguração oficial está prevista para este ano, 2018, após vários adiamentos.

2004_0416_122343AA

Estatuetas provenientes da tumba de Yuya e Tuya

2004_0416_124525AA

Sarcófagos de Yuya e Tuya.

Isso levou muitos a se questionar se o Museu Egípcio do Cairo irá fechar e a resposta é não. “O Museu Egípcio em Tahrir não morrerá, continuará a receber visitantes durante todo o ano”, afirmou Khaled el-Enani, Ministro de Estado das Antiguidades. De acordo com o seu comunicado, a coleção de Yuya e Tuyu, pais da rainha Tiye, permanecerão no local. Assim como os objetos funerários de Psusennes I, que foram encontrados em 1940 pelo arqueólogo francês Pierre Montet. Esse faraó e reinou muitos anos mais tarde a morte de Tutankhamon, durante a 21ª Dinastia, Terceiro Período Intermediário.

— Saiba mais: Tesouros arqueológicos no porão do Museu Egípcio no Cairo

Face d'orMáscara mortuária de Psusennes I.

Para o Dr. Tarek Tawfik, diretor-geral do Grande Museu Egípcio, esta será uma grande oportunidade de dar mais destaque para outras peças interessantes, mas que foram ofuscadas durante todos esses anos por Tutankhamon. A outra justificativa é dar a cada museu a chance de ter suas próprias peças de destaque.

 

Fonte:

Will the Tanis Collection replace King Tut’s in the Tahrir Museum?. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/39704/Will-the-Tanis-Collection-replace-King-Tut%E2%80%99s-in-the-Tahrir?platform=hootsuite >. Acesso em 23 de janeiro de 2018.

 

Cheia do Rio Nilo é celebrada pelo Museu Egípcio do Cairo

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Para celebrar o Dia da Cheia do Nilo, o Museu Egípcio do Cairo está organizando passeios guiados gratuitos para todos os visitantes durante o seu horário noturno de funcionamento.

nile-river-luxor-1080x1920

Pôr do Sol às margens do Nilo, em Luxor.

Elham Salah, coordenador do Setor de Museus do Ministério das Antiguidades, revelou que os passeios serão em árabe e inglês e ocorrerão entre 18 e 24 de agosto. As peças mostradas serão aquelas relacionadas com o Rio Nilo, tais como o Nilometro e embarcações.

Dashur Boat

Um dos barcos de Dashur exposto no Museu Egípcio do Cairo

E ainda tem a peça arqueológica do mês: para agosto foi escolhida um óstraco que representa o deus Hapi, divindade que controlava as cheias do Nilo.

A peça do mês de agosto do Museu Egípcio. Foto: Ministério das Antiguidades.

O sinal das cheias e o Ano Novo egípcio:

Nas épocas das cheias do Nilo algumas festividades eram celebradas durante dias para comemorar o evento, dentre elas o Festival Wag e a Festa da Bebedeira. Não se sabe a data fixa da primeira cheia (até porque poderia oscilar), mas o Ministério das Antiguidades do Egito lançou uma nota em que a situa após o dia 15 de agosto no nosso atual calendário.

— Saiba mais: Festival da Bebedeira no Egito Antigo + Vídeo

Durante a antiguidade egípcia o tempo era contado de diferentes maneiras, uma delas era através das estações: Aket, Peret e Shemu. A Aket abria o ano através das cheias e era um momento de grande celebração no país.

Um dos eventos naturais que anunciavam o início desta estação, além das cheias, era o surgimento da estrela Sirius no céu (na América do Sul ela só surge no final do ano).

— Saiba mais: A Estrela Sirius no Egito Antigo

Atualmente as inundações anuais não são muito visíveis graças as represas que foram construídas ao longo do Rio Nilo no século passado. Entretanto, durante a antiguidade as águas cobriam parte das terras férteis. Exatamente por isso que algumas residências eram construídas sob uma elevação artificial ou algumas cidades eram rodeadas por muralhas de contenção ou protegidas por represas.

Representação de uma casa do Período Faraônico. Foto: STROUHAL, Eugen. A vida no Antigo Egito (Tradução de Iara Freiberg, Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Folio, 2007.

 

Fonte da matéria:

Egyptian Museum celebrates flooding of the Nile. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/News/275272.aspx >. Acesso em 13 de agosto de 2017.

Tesouros arqueológicos no porão do Museu Egípcio no Cairo

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

O Museu Egípcio no Cairo (Egito) contém a mais prestigiosa coleção de artefatos egípcios do país. Sua fundação foi inspirada pelas centenas de descobertas arqueológicas datadas dos tempos dos faraós que ocorreram no século XIX, ao lado da ausência de um bom lugar para armazenar as peças coletadas (EINAUDI, 2009).

Inaugurado em 1902 (EINAUDI, 2009), por quase doze décadas o museu tem recebido artefatos catalogados em diferentes línguas, retirados dos seus sítios de origem por arqueólogos de distintas épocas. Assim, em poucos anos o porão do edifício começou a ficar abarrotado com peças arqueológicas dos mais variados períodos, algumas até fora do seu contexto. E o que era para parecer com uma reserva técnica — local onde nós arqueólogos e os museólogos armazenamos as peças analisadas e catalogadas —, atualmente se assemelha com um depósito empoeirado com artefatos fragilizados e com etiquetas bagunçadas escritas em árabe, francês ou inglês [1].

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito

As condições de armazenamento precário dos objetos nesse espaço já foi motivo de críticas em outros anos. Alguns não se sabe a procedência, outros há anos não foram tocados por um especialista. Esse enorme problema é um dos motivos da inauguração do Grande Museu Egípcio, o qual receberá a maior parte da sua coleção [1].

Pequena parte do porão mostrado na série Chasing Mummies: The Amazing Adventures de Zahi Hawass (2010), da The History Channel.

Outra medida foi anunciada em janeiro deste ano (2017): A direção do museu prometeu retirar de lá 600 ataúdes de madeira. “Estamos ansiosos para começar a tarefa. Nós esperamos por ótimos resultados”, declarou ao jornal El Mundo o chefe de curadoria Moamen Othman, “Tem caixões que vêm principalmente de escavações arqueológicas. Eles são de diferentes idades e origens, o que torna este um projeto muito emocionante”[1].

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito

A retirada será realizada por uma equipe multidisciplinar composta por 35 pessoas, além de peritos dos EUA, Reino Unido e Itália [1].

O restaurador que retirou uma cola epóxi da barba de Tutankhamon — posta lá de forma negligente em 2014 — também participará da equipe: “Nós vamos primeiro nos concentrar na documentação e conservação dos caixões. É um desafio enorme porque nós iremos fotografar e investigar cada um dos sarcófagos” e complementou “Todo mundo vai desfrutar de documentos de estudo completos, mas a restauração vai afetar apenas de 15 a 20 caixões” [1].

Muitos dos artefatos estão frágeis. “Há milhares de objetos no porão. Não temos um número exato”, explicou Othman.

Moamen Ozman apresentando o projeto. Foto: Francisco Carrión

“Os caixões, uma vez restaurados e catalogados, estarão disponíveis para pesquisadores e para o público em geral. É uma coisa maravilhosa, porque significa que pessoas de todo o mundo podem descobrir e apreciar este património”, declarou Martin Perschler, diretor do fundo que paga esta missão, o Fundo para a Preservação Cultural, que se trata de um programa dos EUA. “Uma das preocupações é o ambiente em que os sarcófagos estão. Uma transferência imediata para outro lugar poderia ter um efeito negativo sobre a sua preservação”, concluiu [1].

As condições do porão também serão investigadas, para saber se existe algum perigo estrutural[1].

 

Referências bibliográficas:

En busca de los tesoros ocultos en el sótano del Museo Egipcio de El Cairo. Disponível em < http://www.elmundo.es/ciencia/2017/01/17/587e00dee5fdea19078b4598.html >. Acesso em 03 de março de 2017.

EINAUDI, Silvia. Coleção Grandes Museus do Mundo: Museu Egípcio Cairo (Tradução de Lúcia Amélia Fernandez Baz). 1º Título. Rio de Janeiro: Folha de São Paulo, 2009.

 

Querem Hawass fora do ministério

 

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Este domingo (3 de julho de 2011) manifestantes se reuniram em frente ao Ministério de Defesa pedindo que Zahi Hawass, atual Ministro de Antiguidades Egípcias, se demita. O pedido tem como base algumas queixas de irregularidades quanto ao seu mandato, inclusive em relação a algumas das peças roubadas do Museu do Cairo durante as manifestações de janeiro. Segundo as acusações, existem peças que não foram listadas e que estão sumidas. “Zahi nunca providenciou documentos oficiais sobre o que continua desaparecido do Museu Egípcio”, disse Nasser Ibrahim, um funcionário do departamento do ministério de restauração que complementou “Exigimos que uma comissão internacional seja formada para fazer um inventário completo de artefatos do museu”.

 

 

Dr. Zahi Hawass. Disponível em < http://www.kelmetnamag.com/article/14039 >. Acesso em 3 de junho de 2011.

 

 

“As câmeras de segurança do museu não estavam funcionando durante o assalto. Isto era da responsabilidade do anterior secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades (cargo que Hawass ocupava na época)”, diz Intessar Gahrib, o coordenador de mídia do protesto “Temos apresentado documentos que comprovem as nossas reivindicações ao gabinete do Procurador Geral, e nós estamos exigindo que o Conselho Militar olhe para eles. Eles provam sua negligência e corrupção”, complementou.

As manifestações ocorreram justamente no momento em que Hawass não está disponível em seu país, neste momento ele está aqui na America do sul, no Peru, para participar da II Conference on Retrieving Stolen Artifacts (II Conferencia de Devolução de Artefatos Roubados). 

 

Fonte da reportagem (com tradução parcial): As Zahi Hawass flies to Peru, protesters call for the minister to step down. Disponível em < http://www.almasryalyoum.com/en/node/474052 >. Acesso em 3 de julho de 2011.

 

UNESCO quer resgatar peças roubadas

Texto retirado na integra do site defender.org.br. Recebido via twitter @patrimonio)

Unesco vai atuar com parceiros internacionais para resgatar peças roubadas de museu no Egito

 

Por  Silvana Losekann

 

A  Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) apelou ontem (15) para que o mundo preserve a herança cultural da humanidade presente no Egito. A reação é uma resposta aos roubos de pelo menos 18 peças do Museu Egípcio do Cairo, registrados durante a onda de protestos contra o governo. A Unesco informou que será feita uma força-tarefa com parceiros internacionais na tentativa de resgatar as peças roubadas.

A Unesco pretende atuar em conjunto com a Organização Internacional de Polícia Criminal (a Interpol), a Organização Mundial das Alfândegas, o Centro Internacional para Estudo e Restauração de Propriedade Cultural e o Conselho Internacional de Museus.

“[Apelamos para que] autoridades, comerciantes de arte e colecionadores de todo o mundo estejam atentos às relíquias desaparecidas”, diz o comunicado.

Na relação de peças roubadas do museu estão uma estatueta de madeira coberta de ouro do faraó Tutankhamon transportado por uma deusa, os braços e o dorso de uma estátua do rei Akneton, a cabeça de uma estátua de Aremisca, entre outras obras. As autoridades acreditam que o roubo ocorreu na noite do último dia 11.

“É particularmente importante verificar a origem da propriedade cultural que pode ser importada, exportada ou oferecida para venda, sobretudo na internet”, afirmou a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova,

“Essa herança é parte da história da humanidade e da identidade do Egito. Não podemos permitir que desapareça em mãos sem escrúpulos ou corra o risco de ser danificada ou mesmo destruída”, acrescentou.

Segundo a diretora, é fundamental que colecionadores e comerciantes colaborem no esforço de resgatar as peças. “Mas também chamo a atenção das forças de segurança, dos agentes aduaneiros, dos comerciantes de arte, dos colecionados e das populações locais para fazerem tudo para recuperar essas peças de valor inestimável”, afirmou Bokova.

 

Retirado de: Unesco vai atuar com parceiros internacionais para resgatar peças roubadas de museu no Egito. Disponível em < http://www.defender.org.br/unesco-vai-atuar-com-parceiros-internacionais-para-resgatar-pecas-roubadas-de-museu-no-egito/> Acesso em 16 de Fevereiro de 2011.

 

Museu Egípcio do Cairo invadido

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille 

Acabei de receber estas imagens via Twitter. Relutei em publicar antes sobre a invasão do edifício, já que não era oficial, mas de fato o Museu Egípcio do Cairo foi invadido.

Museu Egípcio do Cairo invadido. Fonte jornal online Al Jazeera.

Museu Egípcio do Cairo invadido. Fonte jornal online Al Jazeera.

Museu Egípcio do Cairo invadido. Fonte jornal online Al Jazeera.

Museu Egípcio do Cairo invadido. Fonte jornal online Al Jazeera.

Museu Egípcio do Cairo invadido. Fonte jornal online Al Jazeera.

UPDATE 30 de Janeiro de 2011 (04h00 – horário de Brasília)

Como prometido estou fazendo um update. Infelizmente eu fraquejei hoje quando recebi as imagens do que aconteceu no Museu Egípcio do Cairo, pensei em desistir de repassar as informações e me retirar da ajuda nos protestos. O difícil é tentar compreender o que aconteceu, no entanto não adianta ficar lamentando, o jeito é seguir a diante, tentar salvar os artefatos e claro punir os culpados. Agora é confiar naqueles que ainda estão firmes tentando proteger o museu.

Primeiramente tenho que alertar que a invasão do edifício não tem a ver com o protesto para retirar o Mubarak do poder, muito pelo contrário, algumas pessoas fizeram uma “corda humana” em frente ao museu para evitar entradas de mal intencionados, mas isto não impediu que no sábado (dia 29/01/2011) um grupo de pessoas (acredita-se que nove homens) entrasse no Museu Egípcio pelo o teto e danificasse alguns artefatos.

As notícias que estão sendo veiculadas estão extremamente confusas, já que a internet e telefones só foram liberados no Egito ontem, o que sei recebi via twitter (que está sendo a ferramenta usada em apoio aos protestos) e vendo a CNN e BBC World News. A seguir vou repassar o que tenho até agora:

◘ Na sexta-feira, 28/01/2011, no Cairo se espalharam rumores de que incendiários queriam atacar o Museu Egípcio, outras notícias que estavam circulando era de que uma turba planejava invadir para quebrar algumas das peças.

◘ No mesmo dia, protestantes se reuniram na frente do museu e formaram uma “corda humana” para evitar qualquer ataque ao edifício. Uma das pessoas que tentavam proteger teria dito “Eu estou aqui para defender e proteger o nosso tesouro nacional” (Em breve colocarei a fonte).

◘ Segundo dizem, a “corda humana” foi agredida por algumas pessoas que tentavam invadir o museu, mas não sei ainda se esta informação foi confirmada, mas sabe-se que o exército também começou a patrulhar a área.

◘ Na madrugada de sábado manifestações ainda ocorriam nas ruas. O horário ainda não me foi confirmado, mas antes da chegada da tarde foram descobertos os estragos nas peças do museu.

◘ Neste meio tempo os boatos começaram a rondar. Pela tarde Dr. Zahi Hawass confirmou ao Reuters o acontecido e disse que duas múmias reais foram danificadas e a bilheteria saqueada.

◘ Os demais jornais não possuíam tal informação, criando rumores de que seria uma notícia falsa.

◘ Mais ou menos dentre as 14h00 e 15h00 (horário de Brasília) eu recebi as imagens via twitter de alguns dos objetos destruídos (Al Jazeera). O que foi para mim uma situação extremamente desanimadora, já que acompanhava todo o drama do museu desde ontem.

◘ Começaram a rodar boatos de que algumas pessoas roubaram coisas da área do museu, mas os próprios civis teriam recuperado e devolvido ao edifício. Tal boato não foi confirmado.

◘ Neste momento muitos já lamentavam a situação e começaram a apontar que agora será impossível recuperar peças que o Supremo Conselho de Antiguidades planeja ter de volta. Pelo o mundo falam que o sonho da repatriação de artefatos acabou para o Egito. A Alemanha – que esta semana negou mais uma vez o pedido de repatriação do busto de Nefertiti – prometeu fazer uma doação em dinheiro para os egípcios se reerguerem, assim que terminar tudo isto (notícia ainda não confirmada).

◘ Neste meio tempo, muitas pessoas pelo o mundo reconheceram nas imagens veiculadas partes que supostamente eram de artefatos de Tutankhamon.

A imagem ilustra quais são os artefatos de Tutankhamon que se acredita está destruído. Fonte das imagens dos artefatos inteiros: JAMES, Henry. Tutancâmon (Tradução de Francisco Manhães). 1ª Edição. Barcelona: Editora Folio, 2005. P. 178 e 179.

◘ Somente horas depois a Nile TV enviou um vídeo para a CNN.

◘ Agora pela noite a CNN começou a veicular que nenhuma peça do Museu Egípcio do Cairo foi levada.

◘ Dr. Zahi Hawass fez mais um pronunciamento em que teria dito que a suspeita é de que nove homens invadiram o museu com a intenção de danificar algumas peças e roubar outras. Ele confirmou que tentaram roubar duas múmias, mas por algum motivo desconhecido desistiram e abandonaram os corpos no chão, o que as danificou. A identidade das múmias não foi liberada. Hawass confirmou também que grande parte do estrago foi feito ao acervo de Tutankhamon, mas não liberou a notícia de quais peças foram quebradas, mas alertou que será possível recuperá-las. Informou também que vai abrir um processo na esperança de punir os invasores. Desde a tarde a parte interna do museu está sendo vigiada por soldados armados com metralhadoras.

◘ Também pela tarde liberaram que o platô de Giza foi isolado e está sitiado por tanques, mas não sei informar como está a segurança nos demais sítios arqueológicos.

◘ Não está confirmado, mas alguns dizem que o Dr. Zahi Hawass agora está acampando dentro do museu para tentar também proteger as peças.

Clique aqui e veja um vídeo mostrando os estragos no interior do Museu do Cairo.

Se possível em breve trarei mais um update. Por favor, ajudem a espalhar este post para outras pessoas. Só resolvi publicar aqui por que recebi mensagens pedindo esclarecimentos e confirmações. Acredito que este texto será de alguma utilidade. As informações que tenho aqui vieram via twitter durante as trocas de informações sobre o protesto e via CNN TV  (que por sua vez recebe informações da Nile TV e os correspondentes egípcios) e BBC World News.

UPDATE 30 de Janeiro de 2011 (11h18 – horário de Brasília)

◘  Algumas mídias na internet estão falando que peças do espólio de Tutankhamon foram roubadas, mas ainda não vi nenhuma confirmação oficial.

◘ Esta manhã o express.co.uk noticiou que o Vale dos Reis agora está cercado por tropas do governo para guardar a segurança das tumbas faraônicas.

◘ O site Ancient Egypt Online fez um esquema das salas atacadas. Olhando a disposição das áreas agredidas alguns pela internet começaram a sugerir que as duas múmias danificadas seriam do casal Yuia e Tuya (pais de Tiye), mas é só especulação. O Supremo Conselho de Antiguidades não liberou ainda a identidade das múmias.

Esquema da destruição no Museu do Cairo. O museu foi invadido no sábado (29/01/2011) apesar da proteção feita por civis e soldados.

Abaixo a foto da “corda humana” para proteger o Museu egípcio do Cairo:

Corda humana feita em frente ao Museu Egípcio do Cairo na sexta-feira passada (28/11/2011). Fonte temporariamente desconhecida.

Foto da ocupação do exército no Museu Egípcio do Cairo:

Ocupação do exército no Museu Egípcio do Cairo.

Fotos da ocupação do exército no platô de Gizé:

Ocupação do exército no platô de Gizé.

Obrigada a @vintage69br por disponibilizar o update anterior em seu blog. Outras pessoas estão sendo especialmente maravilhosas também pelo o twitter dando RT nas notícias. O Arqueologia Egípcia tem um sistema de envio de mensagem via e-mail também (é o botão “Share This” que vocês encontram logo abaixo).

UPDATE 30 de Janeiro de 2011 (16h30 – horário de Brasília)

◘ Hoje foi dito que a TV Al-Jazeera – que está repassando detalhes do conflito – provavelmente irá sair do ar por determinação de Mubarak. Al-Jazeera está fazendo toda a cobertura dos eventos.

◘ Muitas pessoas estão sendo presas e armas caseiras apreendidas. Saques estão ocorrendo não só a lojas, mas também hospitais. Um hospital responsável em tratar crianças com câncer foi saqueado.

◘ A imprensa internacional já começou a reconhecer que o Egito ficou dividido: de um lado está a população que luta por reformas e no outro estão os vândalos sem compromisso algum com o protesto.

◘ Ás 14h30 (horário de Brasília) Dr. Zahi Hawass fez uma declaração para a CNN. Ele descreveu o que as primeiras análises indicaram que os invasores ingressaram por cima do museu, abriram a fechadura e entraram no pátio principal. Mencionou que adentraram na sala de Tutankhamon e “quebraram algumas coisas”. De acordo com ele quando o exército entrou no museu encontrou duas múmias danificadas e vários artefatos espalhados. Hawass anunciou que 10 artefatos foram lesados, mas que poderão ser restaurados. Disse também que vários jovens continuam em frente ao museu assim como o exército e garantiu que o edifício agora está salvo. Falou também da reação dos egípcios “Quando passo na rua todas as pessoas estão me perguntando se o museu está salvo” e deixou claro que os criminosos que o invadiram agora estão presos.

◘ Sobre o suposto roubo das peças do acervo de Tutankhamon: não foi declarado oficialmente roubo de peças. Este é um boato que está rondando na internet.

[cincopa AYOAMdqs_4Ky]

Dr. Hawass já conseguiu enviar uma mensagem para ser postada em seu blog. Infelizmente não posso fazer a tradução agora, mas Dr. Hawass fez uma colocação que eu acho importante por aqui:

Sinto que tudo o que tenho feito nos últimos nove anos foi destruído em um dia, mas todos os inspetores, jovens arqueólogos e administradores em sítios e museus em todo o Egito estão me chamando para me dizer que eles vão dar a vida para proteger as nossas antiguidades. Muitos egípcios jovens estão nas ruas tentando parar os criminosos (HAWASS).

E abaixo um vídeo que eu gostaria de compartilhar com vocês. Não fiz a tradução também, mas dá para notar a emoção e tristeza destas pessoas que passaram a noite para proteger o Museu Egípcio do Cairo.

[cincopa AQPAsfarAZtN]

UPDATE 31 de Janeiro de 2011 (22h30 – horário de Brasília)

◘ Os boatos de que as duas múmias danificadas seriam de Yuia e Tuya (pais de Tiye) em fim foram se mostraram falsos. Esta manhã foi liberada a foto das múmias danificadas. Veja abaixo:

Nesta foto, tirada na madrugada de sábado, 29 de janeiro de 2011, se tornou disponível de segunda, 31 de janeiro. Museu Egípcio, no Cairo, Egito. Fonte: AP

◘ Os egípcios estão irritados com a mídia porque ela está pintando uma imagem negativa deles, declarou uma egípcia para a CNN internacional. Em outro momento um homem falou que os vizinhos estão desesperados porque estão sem água, sem comida e sem dinheiro. Os caixas eletrônicos no Cairo estão sem funcionar.

◘ Vários sítios arqueológicos estão sendo saqueados por quadrilhas armadas.

UPDATE 3 de Fevereiro de 2011 (20h00 – horário de Brasília)

SOS EGITO, por Dalton Maziero:

Um grande amigo e administrador do site Arqueologia Americana (parceiro de longa data do Arqueologia Egípcia), fez uma postagem sobre o apelo que está rondando a internet para a UNESCO intervir contra a destruição do patrimônio egípcio. Clique aqui e leia.

Lista do de notícias do Yahoo sobre os confrontos:

Vandalismo danifica 70 peças arqueológicas em museu egípcio

http://br.noticias.yahoo.com/s/02022011/40/politica-vandalismo-danifica-70-pecas-arqueologicas.html

 

Premiê egípcio pede desculpas pelos incidentes da véspera

http://br.noticias.yahoo.com/s/03022011/40/politica-premie-egipcio-pede-desculpas-pelos.html

 

Cronologia dos protestos no Egito

http://br.noticias.yahoo.com/s/03022011/40/politica-cronologia-dos-protestos-no-egito.html

 

Exército tenta separar manifestantes após novas mortes no Egito

http://br.noticias.yahoo.com/s/03022011/48/manchetes-exercito-separar-manifestantes-apos-novas.html

 

Repórteres brasileiros são detidos no Egito e obrigados a voltar para o Brasil

http://br.noticias.yahoo.com/s/03022011/48/manchetes-reporteres-brasileiros-sao-detidos-no.html

 

Mubarak diz à ABC que teme caos no Egito se renunciar

http://br.noticias.yahoo.com/s/reuters/110203/manchetes/manchetes_egito_abc_mubarak

[ATENÇÃO] 

Falsificações de informação

 

◘ Alguns blogs e pessoas que se dizem profissionais da área da egiptologia estão divulgando notícias falsas sobre o que está acontecendo com os artefatos no Egito. Cuidado com o que estão lendo.

◘ Esta semana ocorreu uma discussão sobre a falsificação da foto das múmias do Museu Egípcio do Cairo já que algum individuo de fora do Egito fez uma multiplicação das múmias que aparecem na foto (publicada no update anterior). Não se sabe os motivos de uma pessoa destas, mas é lamentável que ocorra algo assim numa situação tão caótica como a que está o Egito.

◘ Abaixo uma foto da múmia que pode ser a que foi destruída. Prestem a atenção ao fato de que esta dedução foi feita por pessoas de fora do Egito.

Suposta múmia que foi destruída. Autor da foto desconhecido.

Hoje, 05 de fevereiro, tenho ótimas notícias e saliento que os egípcios estão se dedicando muito para proteger o próprio patrimônio.

Muitos pesquisadores da área estão dando relatos de arrombamentos, mas os inspetores do Supremo Conselho de Antiguidades estão negando. Isto está criando a maior confusão, mas temos que levar em conta que a situação para fiscalização lá não está fácil e para a comunicação pior ainda.

UPDATE 5 de Fevereiro de 2011 (18h50 – horário de Brasília) 

◘ Além da barreira humana em frente ao Museu Egípcio, um grupo também está a proteger a biblioteca de Alexandria.

◘ Dia 04/02 Salima Ikram enviou uma mensagem (ela está sendo simplesmente maravilhosa, está enviando várias mensagens para os egiptólogos de fora do país com todas as informações que recebe e desmentiu inclusive alguns boatos sobre saques). Uma tradução parcial da mensagem dela:

“Até agora tudo bem (…). As novidades sobre as antiguidades no sul do Egito continuam encorajadoras. Os inspetores do SCA e ghaffirs* (*?) continuam a defender sítios no sul e na área de Memphis. O exército continua a montar guarda na área de Saqqara. Pode-se dizer que… O sítio pode ser aberto para o público no domingo”.  

◘ Profa. Salima também explicou um pouco sobre as múmias destruídas no Museu Egípcio do Cairo em outra mensagem:

“As múmias que são mostradas destruídas são múmias fragmentadas do Período Tardio que foram usadas para testar a máquina CT* (*tomógrafo) e estavam guardadas próximas a maquina. Quando as pessoas que atacaram o museu entraram na área da loja de presentes, etc eles também violaram o quarto em que os fragmentos de múmias para teste estavam, e estes são os fragmentos que são mostrados nas imagens. Elas já estavam em fragmentos”.

◘ Acho que foi a uma equipe alemã que desistiu de ir escavar nesta temporada, mas os nossos irmãos do México, independente da situação irá continuar seus trabalhos desta temporada (fevereiro 2011).

◘ Em Amarna, apesar dos relatos de saques, de acordo com o Amarna Project nada foi roubado.

Espero continuar a trazer notícias boas.

Incendiários ameaçam o Museu Egípcio

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Estão ocorrendo uma série de protestos contra o governo do atual presidente egípcio Hosni Mubarak. Hoje a internet e as linhas de telefone foram desligadas, além de ter sido decretado toque de recolher em todo o país. Mesmo assim as manifestações no Cairo começaram no horário da tarde: carros e escritórios foram vandalizaram e em Alexandria a cede do governo foi incendiada. 

O Nobel da paz e apoiador declarado dos protestos, Mohamed El-Baradei, chegou ontem (27/01/2011) ao Egito e hoje foi posto em prisão domiciliar. Antes de ser enclaustrado El-Baradei fez uma forte incitação via Twitter:  

“Nós vamos continuar a exercer o nosso direito a protestar de forma pacifica e restabelecer a paz e a dignidade. A violência vai se voltar contra o regime” [Trad. GloboNews].

Embora a internet tenha sido inviabilizada, fora do país muitas pessoas trocaram informações via Twitter – o que pôs a palavra “Egipto” e “Mubarak” no Twitter Trends (quando uma palavra entra no TT quer dizer que está sendo muito citada entre os usuários) – e a notícia de que algumas pessoas ameaçaram incendiar o Museu Egípcio do Cairo logo foi espalhada. Outra ameaça era de que existia um plano de saquear o museu. Alguns dos protestantes fizeram um escudo humano para evitar a invasão, mas foram agredidos por possíveis incendiários. A informação que se tem até agora é de que o exército tomou o local e que montou guarda na área a fim de proteger o Museu Egípcio do Cairo e o patrimônio arqueológico lá guardado que compreende múmias reais, objetos cotidianos da era faraônica e o espólio funerário do faraó Tutankhamon.

 

Museu Egípcio do Cairo. Disponível em < http://wingstoafrica.com/egyptian-museum-cairo-2.html > Acesso em 28 de Janeiro de 2011.

 

Fonte:

Acompanhei algumas das mensagens do protesto via Twitter, mas a GlogoNews TV está fazendo uma cobertura geral.

Veja também:

Guardian: http://www.guardian.co.uk/news/blog/2011/jan/28/egypt-protests-live-updates (com atualizações ao vivo).  

Encontradas pedaços de estátuas

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

Foram encontradas esta semana por uma das equipes do SCA seis pedaços de imagens do faraó Amenhotep III e sua esposa Tiye (XVIII Dinastia) em Medinet Habu. Tais partes pertencem às estátuas que hoje estão no centro do salão principal do Museu Egípcio do Cairo.

Um dos seis pedaços encontrados em Medinet Habu da peruca da rainha Tiy que faltam de sua estátua – que se encontra atualmente no salão principal do Museu Egípcio do Cairo -. Foto: Meghan E. Strong. Retirado de: Dr. Hawass: Press Release – Pieces of Amenhotep III and Tiye statue found. Disponível em: < http://www.drhawass.com/blog/press-release-pieces-amenhotep-iii-and-tiye-statue-found>. Acesso em 12 de Janeiro de 2011.

De acordo com o secretário-geral do SCA, Dr. Zahi Hawass, as estátuas, que foram descobertas em 1889 por Auguste Mariette em também em Medinet Habu, foram “complementadas” por uma equipe restauradora italiana com alvenaria moderna.

Dois pedaços de pedra calcária, representando parte da mão e os dedos da rainha Tiye – que se encontra atualmente no salão principal do Museu Egípcio do Cairo -. Foto: Meghan E. Strong. Retirado de: Dr. Hawass: Press Release – Pieces of Amenhotep III and Tiye statue found. Disponível em: < http://www.drhawass.com/blog/press-release-pieces-amenhotep-iii-and-tiye-statue-found>. Acesso em 12 de Janeiro de 2011.

As peças recuperadas de Amenhotep III pertencem ao seu peito, coroa e perna, já dentre as encontradas da rainha Tiye está parte de sua peruca. Em breve os pedaços serão levados para o Museu Egípcio do Cairo e recolocados no seu local original.

Essas seis peças são apenas alguns dos cerca de 1.000 fragmentos de estátuas que têm sido encontradas e que datam da época faraônica até o copta. O supervisor da escavação é o arqueólogo Abdel Ghaffar Wagdy que disse que os pedaços foram encontrados durante o resgate de artefatos em um projeto para diminuir as águas subterrâneas na margem oeste de Luxor.

Estátuas de Amenhotep e Tiye. Salão principal do Museu Egípcio do Cairo. Retirado de: Chapter 20: Amenhotep the Magnificent. Disponível em: < http://www.answersingenesis.org/articles/utp/amenhotep-the-magnificent>. Acesso em 12 de Janeiro de 2011.

Fonte:

Dr. Hawass: Press Release – Pieces of Amenhotep III and Tiye statue found. Disponível em: < http://www.drhawass.com/blog/press-release-pieces-amenhotep-iii-and-tiye-statue-found>. Acesso em 12 de Janeiro de 2011.