Tumba de Maya na National Geographic

Esta matéria publicada em 2003 na revista National Geographic Brasil conta um pouco sobre a tumba de Maya, o tesoureiro real de Tutankhamon (e que provavelmente foi o responsável pela supervisão do encerramento da tumba do faraó).

Confira o texto com as palavras de Alain Zivie, o arqueólogo responsável pelas pesquisas no sepulcro:

O guardião do tesouro do deus-sol (Edição 43/Novembro de 2003)

A descoberta do túmulo do guardião das finanças do faraó Akhenaton intriga cientistas

 

Por Alain Zivie

Fonte: National Geographic Brasil

O túmulo do guardião do patrimônio dos templos do Egito, no reino do Deus-Sol Akhenaton, há mais de 3,3 mil anos

Muita experiência, intuição e um pouco de sorte fizeram com que eu chegasse até esse túmulo no antigo cemitério de Saqqara.

Com o apoio do Ministério de Assuntos Exteriores da França, eu já encontrara sítios funerários num penhasco da região, inclusive um que pertencera a um alto funcionário de Ramsés, o Grande (consulte “O enviado de paz do faraó”, outubro de 2002) e outro preparado para Maïa, ama-de-leite de Tutankhamon. À medida que minha equipe trabalhava, as pás iam revelando uma abertura na rocha. Assim que a areia foi removida, vi uma capela mortuária sustentada por uma colunata, com uma estela de pedra entalhada. Na escarpa atrás dela, descobrimos dois aposentos cobertos de relevos e uma escadaria levando a uma câmara sepulcral inacabada. Inscrições revelam que o proprietário tinha dois nomes: Raïay e Hatiay. Ele foi um importante administrador dos templos de Aton em Akhetaton (a nova capital) e em Mênfis (a antiga). Ou seja, esse homem cuidava do ouro e das oferendas para Aton em duas das principais cidades egípcias. Suas relações com Akhenaton eram próximas: relevos na tumba refletem a devoção de Raïay à religião extremista do faraó. Mas alguns deles foram modificados, e isso aconteceu provavelmente durante a vida de Raïay. Agora, a pergunta que fica no ar é: por quê?

Lindos relevos, executados pelos melhores artistas do país, enfeitam a tumba de Raïay. Mas sua função não é só decorativa. Envoltos em magia, facilitavam o caminho dele de volta à vida após a morte. Na cerimônia de “abrir a boca,” um sacerdote devolve os sentidos à múmia de Raïay, segura por um parente de luto. Esta imagem mostra que preparativos tradicionais para a vida eterna eram feitos mesmo durante o reinado nada ortodoxo de Akhenaton. Mas, como os textos que acompanham a cena estão de acordo com a adoração do faraó ao deus Aton, referências normais a Osíris, o deus da morte, foram omitidas. De fato, os relevos das paredes da tumba homenageiam apenas Aton.

A estela da entrada da tumba, porém, menciona diversos deuses egípcios. Num painel, Raïay e sua mulher fazem oferendas a Osíris. Inscrições mencionam deuses como Ptah, patrono de Mênfis, e Amon, a quem a esposa de Raïay ofereceu canções sagradas. Essa estela é fundamental para interpretar a tumba. Teria sido colocada depois que Akhenaton morreu, quando Raïay e seus contemporâneos retomaram antigos costumes, sob a autoridade de um novo faraó, Tutankhamon.

Raïay construiu essa tumba para sua mulher e para si mesmo. A esposa aparece sentada atrás dele ofertando flores. Mas ninguém foi enterrado nesse local.

A imagem de Raïay vigia a entrada de uma câmara mortuária inacabada. À medida que o povo deixou de lado as obsessões de Akhenaton, essa tumba provavelmente transformou-se numa ameaça, apesar das alterações feitas. Ao sentir o perigo iminente, Raïay parece ter abandonado o complexo funerário. Inscrições revelam que o nome de sua mulher era Maïa. Seria Maïa a que foi a ama-de-leite do rei Tutankhamon? Se for, será que a influência dela ajudou Raïay a recuperar a confiança real? E será que ele foi, afinal, enterrado em uma tumba ao lado da mulher? As respostas podem estar escondidas no penhasco de Saqqara.

Disponível em < http://viajeaqui.abril.com.br/materias/egito-tumba >. Acesso em 02/11/2011.

 

 

A vida cotidiana às margens do Nilo

Nada como um dia após o outro: a vida cotidiana às margens do Nilo

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

A vida do povo comum retratada das formas mais inusitadas é o que mais chama a minha atenção na arte egípcia. Normalmente vemos a pescaria, caça a hipopótamos, colheitas, etc, mas poucas vezes podemos observar o lado mais humano como as brincadeiras de roda, e até as brigas. Algumas destas imagens são retratações tanto de momentos trágicos, alegres ou cômicos. Veja abaixo algumas delas:

O rei beija uma figura feminina: na representação abaixo Akhenaton (Novo Império) beija uma garota (uma de suas esposas ou filhas). É notavel a ternura do beijo, que é vista através dos braços dos dois que se tocam com cainho.

Arqueologia egípcia: Akhenaton beija uma pequena dama 

Cirandinha: na tumba de Mereruka (Saqqara, VI Dinastia) vemos crianças brincando de algo que lembra a nossa ciranda.

Arqueologia egípcia: ciranda 

Jovens lixam um rapaz que está no chão: Na tumba de Ptahhotep (Saqqara, V Dinastia) quatro jovens espancam um quinto que está no chão. O mais interessante são os hieróglifos que dão voz as ações: enquanto o que está no chão reclama da dor um dos que está em pé grita “toma”. 

Arqueologia egípcia: briga
 

Embelezando as unhas: na tumba de Ankhmahor (Saqqara, XVI Dinastia) ocorre, ao que parece, uma cena de manicure. Sabemos que os egípcios realmente tinham este tipo de cuidado, por exemplo, a múmia que hoje é citada no Museu do Cairo como pertencente à rainha/faraó Hatshepsut possui as unhas das mãos pintadas.

Arqueologia egípcia: manicure 

Tirando uma nota: músicos com instrumentos de sopro tocam acompanhando os homens da frente que lhes passam o tom. Note que o que está à esquerda tampa um dos ouvidos enquanto faz um gesto com a mão.

Arqueologia egípcia: músicos 

Aplausos: na imagem completa estão algumas dançarinas com cabelos longos trançados e um pendente circular nas pontas. Enquanto fazem o passo espectadoras parecem aplaudir (ou dar a música?). 

Arqueologia egípcia: dançarinas 

Trabalhando bêbado: um dos estocadores dos vinhos (guardados nos grandes vasos) senta-se pondo a mão na cabeça, embriagado, enquanto um dos que está em pé reclama “Está dormindo”, um outro complementa “Está bêbado de vinho” e o que está alcoolizado devolve “Eu não estou dormindo”. 

Arqueologia egípcia: vinho
 

Álcool em excesso: uma dama servida em um banquete sente-se indisposta ao ingerir muito álcool e vomita, sendo então auxiliada por uma das empregadas da residência.

Arqueologia egípcia: dama indisposta 

Bibliografia:
Tallet, Pierre. A culinária no antigo Egito. 2006Casson, Lionel. O Antigo Egito. José Olympio. 1981Strouhal, Eugen. A vida no Antigo Egito. 2007