A descoberta de duas múmias que impressionou os cientistas

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

A mumificação egípcia é uma técnica que foi inventada em algum momento entre a transição do Pré-dinástico (época anterior a unificação do Egito) e se aperfeiçoou ao longo do Período Faraônico. Antes disso o que existia na região eram esporádicas múmias naturais, ou seja, um tipo de múmia que não contou com a intervenção humana, existente graças ao ambiente propicio. Saiba mais sobre o assunto através do vídeo abaixo:

E é graças à mumificação que conhecemos alguns detalhes interessantes da vida e da cultura egípcia tais como alimentação, saúde e modificações corporais a exemplo de perfurações nas orelhas e tatuagens. Sim, durante a Antiguidade egípcia existiam tatuagens e este foi um assunto já abordado no nosso canal, no vídeo “Tatuagens no Egito Antigo”.

Como comento no vídeo em questão, algumas múmias com tatuagens foram encontradas no Egito, mas elas são espécimes raros. Contudo, para a nossa boa sorte ocorreu mais uma descoberta recente que envolve não só uma, mas duas múmias tatuadas, ambas datadas do Pré-dinástico e mumificadas naturalmente. Tatuagens, até então eram encontrados em múmias mais novas. Isso muda muitas coisas sobre como os arqueólogos entendiam a cultura em termos de modificação corporal das pessoas que viveram naquela época.

A descoberta dessas múmias em si, que estão no Museu Britânico, Londres, ocorreu há cerca de 100 anos em Gebelein, mas, descobrir que elas possuem tatuagens é um acontecimento recente. Isso ocorreu quando uma equipe de cientistas usou scanners de infravermelho nos corpos e fez o achado. Os resultados de suas pesquisas foram publicados na revista de arqueologia Journal of Archaeological Science.

“Estamos aprendendo aspectos que não sabíamos sobre a vida dessas pessoas (cujas múmias) sobreviveram bastante bem, parece incrível, mas mostra que as tatuagens na África apareceram mil anos antes do que pensávamos”, disse Daniel Antoine, um dos principais autores do trabalho e curador de Antropologia Física no Museu Britânico à BBC.

A outra grande surpresa não foi somente a idade, mas o fato de uma das múmias ser de um homem. Até então somente corpos mumificados de mulheres foram encontrados, o que se levou a pensar que se tratava de uma prática exclusivamente feminina.

Em um dos braços do homem, apelidado de “Gebelein Man A” (“Homem Gebelein A”), foram encontradas figuras sobrepostas de dois animais. Um parece ser um touro selvagem (Bos primigenius) e o outro um carneiro-da-barbária (Ammotragus lervia). Sobre ele uma descoberta anterior – e mais chocante – tinha sido feita: ele morreu quando tinha entre 18 e 21 anos de idade com uma facada nas costas.

Foto: Museu Britânico

Já a mulher, apelidada de “Gebelein Woman” (Mulher Gebelein), possui quatro marcas paralelas no ombro esquerdo que lembram a letra “S”. Ela tem uma outra tatuagem, mas não está claro o que pode se tratar, se seria um bastão curvo que possivelmente simboliza o poder ou um bastão cerimonial utilizado em danças rituais. De qualquer forma, ambos os símbolos tatuados na mulher já foram vistos em cerâmicas do mesmo período:

Foto: Museu Britânico

Cerâmica Pré-dinástica. Foto: Museu Britânico

Como eram feitas as tatuagens:

Como explico no vídeo “Tatuagens no Egito Antigo”, as tatuagens eram feitas através da injeção subcutânea de um pigmento escuro, indo do preto para azulado, feito de fuligem e óleo. Elas seriam feitas com um instrumento perfurante como pontas de bronze ou espinha de peixe. Coincidentemente, pesquisadores também descobriram um antigo kit de ferramentas que data do Pré-dinástico em Gebelein. Ele foi encontrado na sepultura de uma mulher que possuía entre 40 e 50 anos de idade quando tinha morrido.

O kit inclui uma paleta em forma de pássaro provavelmente usada para moer minérios, acompanhada de pedras arredondadas. Agulhas de ossos também estavam inclusas.

 

Fontes:

El sorprendente hallazgo en dos momias egipcias de hace 5.000 años que revoluciona lo que los científicos sabían sobre el Antiguo Egipto. Disponível em < https://www.msn.com/es-xl/noticias/mundo/el-sorprendente-hallazgo-en-dos-momias-egipcias-de-hace-5000-a%C3%B1os-que-revoluciona-lo-que-los-cient%C3%ADficos-sab%C3%ADan-sobre-el-antiguo-egipto/ar-BBJKWlS?q=14 >. Acesso em 03 de março de 2018.

Oldest Tattooed Woman Is an Egyptian Mummy. Disponível em < https://www.livescience.com/61916-oldest-tattoos-egyptian-mummies.html >. Acesso em 03 de março de 2018.

 

Curiosidades: 7 coisas que existiam no Egito Antigo e que também usamos

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Aqui está mais um vídeo com curiosidades sobre a antiguidade egípcia bem frescas para vocês. Desta vez trago uma modesta lista de coisas que existiam no Egito Antigo e que nós possuímos também.

 

Cama do faraó Tutankhamon. Foto: Harry Burton.

Porém, antes que vocês assistam ao vídeo preciso pontuar algo: Não é somente porque uma coisa existiu no Egito Antigo que quer dizer que foi inventado lá ou que eles exportaram para outras culturas. É comum eu receber mensagens de pessoas que acreditam que o Egito é o “berço da civilização” e que as demais culturas são meras cópias. Isso é um equívoco que além de generalista é reducionista. Quando trabalhamos com a arqueologia descobrimos que as várias e diferentes culturas em sua maioria são únicas e que cada uma desenvolveu seus artefatos e pensamentos de uma forma singular. Fiquem atentos para isso, não pensem de uma forma tão simplista.

Abaixo o vídeo:

5 notáveis descobertas feitas pela Egiptologia em 2016

2016 vamos concordar que foi um ano bem polêmico, porém, ocorreram muitas coisas incríveis também, inclusive no campo da Arqueologia. Por isso, fiz essa modesta lista de descobertas relacionadas com artefatos/sítios arqueológicos egípcios que ganharam o mundo por seu caráter único ou raridade. Preciso deixar claro que a Arqueologia é uma disciplina muito lenta, por isso as vezes um objeto é descoberto em um determinado ano, mas a sua importância é notada muito tempo depois.

Não irei comentar sobre a supostas câmaras ocultas na tumba de Tutankhamon e nem sobre os restos de uma múmia que poderia ser a rainha Nefertari. Ambas essas pesquisas foram inconclusivas. A Arqueologia é assim mesmo. Abaixo a minha seleção:

☥ A múmia tatuada

Já sabemos da existência de tatuagens em diferentes sociedades da antiguidade e o Egito Antigo é um ótimo exemplo. Vemos essa arte corporal representada tanto em desenhos como em estátuas e é algo realmente empolgante. Eu já falei sobre esse assunto no canal do AE:

Então em 2016 foi publicado na Nature um pequeno artigo falando sobre a descoberta de mais de 30 tatuagens na múmia de uma mulher que foi encontrada em Deir el-Medina (No vídeo comento um pouco sobre essa pesquisa).

☥ Antigos feitiços antigos para trazer a pessoa amada

É minha gente, não é somente nos dias de hoje que as pessoas sofrem por amor e estão dispostas a tomar medidas drásticas. A tradução de um papiro descoberto nas proximidades de Fayum mostrou bem isso. O leitor é ensinado a “queimar o coração” ou “subjugar” a pessoa amada. Essas magias são datadas do período romano e foram escritas em grego (Clique aqui para saber mais).

☥ Um faraó que foi atacado e assassinado

Desde 2012 temos conhecimento que Ramsés III de fato foi assassinado, mas foi somente em 2016 que soubemos que ele foi atacado por mais de uma pessoa. Também agora sabe-se que as armas utilizadas foram três: uma espada, um machado e uma faca (Clique aqui para saber mais).

Múmia de Ramsés III. Imagem disponível em < http://www.bmj.com/content/345/bmj.e8268#aff-4 >. Acesso em 18 de Dezembro de 2012.

☥ Punhal do faraó Tutankhamon

Uma das adagas encontradas na KV-62, tumba do faraó Tutankhamon, andou chamado certa atenção de alguns arqueólogos por um bom tempo. Uma equipe composta por pesquisadores Italianos e egípcios então propôs um projeto para analisá-la. Foi uma surpresa quando, após uma análise por Raio-x foi descoberto que o material utilizado para a sua confecção é um ferro de meteorito (Ainda não publiquei material acerca, mas em breve o farei).

☥ A descoberta de um documento que comenta a construção da Grande Pirâmide

Na realidade essa descoberta foi feita em 2013 por uma equipe de arqueólogos franceses e egípcios que realizavam pesquisas na região de Wadi Al Jarf, no sudeste do Cairo. Contudo, a sua tradução foi feita em 2016 e o seu conteúdo surpreendeu porque trata-se de um diário de trabalho dos operários que realizaram o transporte da matéria prima da Grande Pirâmide (Clique aqui para saber mais).

Dia em que o diário foi posto em exposição no Egito. Foto: @Pastpreservers (Twitter).

Veremos agora o que 2017 reserva para nós!

(Vídeo) Tatuagens no Egito Antigo

Tatuagens não é uma invenção moderna. Várias sociedades adotaram esta prática para os mais diversos fins e cada uma tinha a sua forma de marcar o corpo. Encontramos exemplos no Período Edo (Japão), entre em antigas comunidades da Sibéria e inclusive no Egito Antigo. Nesse último caso possuímos remanescentes iconográficos que nos mostram pinturas corporais, muitas das quais levam parte dos pesquisadores a sugerirem que em alguns casos ocorreu o uso de uma substância parecida com a henna. Entretanto, possuímos múmias suficientes para nos garantir que de fato as tatuagens eram realizadas durante o faraônico e nos apresentar um pouco desta prática que ainda está envolta de muita especulação.

Foto: Anne Austin.

Por isso, no novo vídeo do AE faço uma introdução sobre esse tema e comento a recém descoberta de uma múmia de uma mulher que possui cerca de trinta tatuagens.

Youtube | Facebook | Instagram | Twitter