Exposição de artefatos egípcios é inaugurada na Noruega

Quem visitar a Noruega poderá conhecer a exposição “Imagens do Museu”, que está localizada no Museu Norueguês de História Cultural em Oslo. A exposição de três meses está exibindo artefatos egípcios dos maiores museus do mundo, incluindo o Museu Victoria e Albert, o Museu d’Orsay, em Paris, e o Museu Metropolitano de Artes, além de duas cópias originais do livro “Description de l’Égypte”, obra encomendada por Napoleão Bonaparte, após invadir o Egito

ahram.org

Para mais informações:

NORSK FOLKEMUSEUM

Museumsveien 10, Bygdøy, 0287 Oslo, Norway

PHONE (+47) 22 12 37 00

E-MAIL post@norskfolkemuseum.no

https://norskfolkemuseum.no/en

 

Fonte:

Egypt ambassador to Norway inaugurates ancient Egyptian artefacts exhibition in Oslo. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/311992/Heritage/Ancient-Egypt/Egypt-ambassador-to-Norway-inaugurates-ancient-Egy.aspx >. Acesso em 22 de setembro.

Tutankhamon terá notáveis substitutos no Museu Egípcio do Cairo

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Os artefatos retirados da tumba do faraó Tutankhamon são singulares e têm servido para mostrar a grandiosidade do Egito. Desde a sua descoberta, há quase 100 anos, os artefatos de Tutankhamon (18ª Dinastia; Novo Império) têm preenchido o Museu Egípcio do Cairo sendo exibidos lá. Porém, eles mudarão de lar, passando a compor o acervo do Grand Egyptian Museum, em Gizé. Cuja inauguração oficial está prevista para este ano, 2018, após vários adiamentos.

2004_0416_122343AA

Estatuetas provenientes da tumba de Yuya e Tuya

2004_0416_124525AA

Sarcófagos de Yuya e Tuya.

Isso levou muitos a se questionar se o Museu Egípcio do Cairo irá fechar e a resposta é não. “O Museu Egípcio em Tahrir não morrerá, continuará a receber visitantes durante todo o ano”, afirmou Khaled el-Enani, Ministro de Estado das Antiguidades. De acordo com o seu comunicado, a coleção de Yuya e Tuyu, pais da rainha Tiye, permanecerão no local. Assim como os objetos funerários de Psusennes I, que foram encontrados em 1940 pelo arqueólogo francês Pierre Montet. Esse faraó e reinou muitos anos mais tarde a morte de Tutankhamon, durante a 21ª Dinastia, Terceiro Período Intermediário.

— Saiba mais: Tesouros arqueológicos no porão do Museu Egípcio no Cairo

Face d'orMáscara mortuária de Psusennes I.

Para o Dr. Tarek Tawfik, diretor-geral do Grande Museu Egípcio, esta será uma grande oportunidade de dar mais destaque para outras peças interessantes, mas que foram ofuscadas durante todos esses anos por Tutankhamon. A outra justificativa é dar a cada museu a chance de ter suas próprias peças de destaque.

 

Fonte:

Will the Tanis Collection replace King Tut’s in the Tahrir Museum?. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/39704/Will-the-Tanis-Collection-replace-King-Tut%E2%80%99s-in-the-Tahrir?platform=hootsuite >. Acesso em 23 de janeiro de 2018.

 

Exposição explica os poderes mágicos do Livro dos Mortos

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Começa no dia 3 de outubro (2017), no Oriental Institute da Universidade de Chicago, a exposição “Book of the Dead: Becoming God in Ancient Egypt” (O livro dos Mortos: Tornando-se deus no antigo Egito). Ela é composta por alguns artefatos funerários egípcios tais como uma múmia de uma antiga mulher da cidade de Akhmim, estátuas, estelas, escaravelhos, tijolos mágicos, ushabtis e alguns textos funerários, como no caso de duas cópias do Livro dos Mortos. Acerca destas, elas estão em exibição na sua totalidade pela primeira vez em um museu.

Foto: Jean Lachat

Os dois papiros do Livro dos Mortos em exibição saíram de duas regiões diferentes do Egito e serão expostos de ponta a ponta. Vale lembrar que cada livro do Livro dos Mortos é uma coleção de feitiços compilados em um único manuscrito que pode ter metros de comprimento.

“A exposição demonstra como os antigos egípcios desenvolveram o Livro dos Mortos para enfrentar a ansiedade mortal da humanidade”, disse Foy Scalf, curador da exposição. “Eles acreditavam que o Livro dos Mortos estava imbuído de poder mágico e quando este poder mágico foi combinado com os rituais funerários apropriados, cada indivíduo poderia se tornar um deus imortal na vida após a morte e assumir a identidade de Osíris, o deus dos mortos”.

Foto: Jean Lachat

“O antigo livro egípcio dos mortos foi frequentemente descrito como um ‘mapa’ do próximo mundo, mas, na realidade, é muito mais do que isso”, disse Scalf. “Cópias do Livro dos Mortos poderiam ter somente um feitiço ou mesmo 165. O conteúdo desses feitiços cobre muitas facetas da espiritualidade dos egípcios: a existência da alma, o que nos espera no pós vida, como seremos julgados, a natureza de deus e a relação contínua com amigos e familiares na Terra”. E complementa “O que descobrimos é que o Livro dos Mortos é sobre a vida eterna, não a morte”.

A exposição apresenta 76 artefatos que demonstram como as crenças religiosas moldaram a vida e a cultura material no Egito durante um período de mais de 2.000 anos. A maioria é da coleção permanente do Instituto Oriental, cujo museu possui a maior coleção de arte egípcia da área de Chicago, bem como galerias dedicadas às outras culturas do antigo Oriente Médio.

 

Fonte:

Exhibit illustrates magical powers of Book of the Dead in ancient Egypt. Disponível em < https://news.uchicago.edu/article/2017/09/22/exhibit-illustrates-magical-powers-book-dead-ancient-egypt >. Acesso em 25 de setembro de 2017.

Artefatos de Tutankhamon transportados sem segurança em um caminhão? Não é bem assim…

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

As redes sociais são de grande auxilio na preservação de artefatos e sítios arqueológicos. Graças ao ativismo online o mundo soube de crimes contra o patrimônio tais como o caso da cola na barba da máscara funerária do faraó Tutankhamon ou o grafite feito por um garoto chinês em Luxor.

Esta semana (12/07/2016) foi a vez de uma imagem publicada no Facebook por um egípcio chamado Karim El Fawwal, um cidadão comum que ao passar pelo Museu Egípcio do Cairo se deparou com a seguinte cena inusitada:


Foto: Karim El Fawwal.

Na sua publicação ele questiona o que estava ocorrendo, afinal, os objetos são parecidos com os artefatos retirados da KV-62, tumba do faraó Tutankhamon. A fotografia gerou muita comoção, despertando a revolta por parte de muitos internautas. Contudo, para a tranquilidade de Karim El Fawwal e vários outros usuários, alguns pesquisadores entraram em contato com ele e esclareceram que se tratam de réplicas que estavam sendo levadas para um salão de exposição.

O que Karim El Fawwal fez foi o correto: ele e nem a maioria da população é capaz de identificar o que é um artefato arqueológico e o que é uma cópia, então expôs o ocorrido para os demais na espera por esclarecimentos. Não existe problema algum em questionar a atitude do seu governo em relação a como ele trata (ou deixa de tratar) o patrimônio.

O Ministry of Antiquities também respondeu ao Karim lançando uma breve nota de esclarecimento e mais tarde um convite para a população conferir a nova exposição (que será inaugurada amanhã). Também aproveitou e postou fotos das réplicas em seus novos lugares:

Foto: Ministry of Antiquities.

Foto: Ministry of Antiquities.

Foto: Ministry of Antiquities.

Foto: Ministry of Antiquities.

Convite para a exposição.


Arquivo 01 (12/07/2016) | Arquivo 02 (13/07/2016)

O Museu Egípcio Itinerante chega em Natal

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

O Museu Egípcio Itinerante está agora na cidade de Natal com um acervo com mais de 400 réplicas de múmias, sarcófagos, estátuas de deuses e faraós, objetos funerários, joias e pinturas sobre papiros.

Foto de réplicas da época em que a exposição passou por Aracaju.

A exposição estará aberta até 26 de maio no segundo piso do Natal Shopping, seguindo o mesmo horário de funcionamento do mesmo. A entrada está com o valor de R$10 para estudante e R$20,00 a entrada inteira. As visitas duram em média 50 minutos, com direito a palestras.

Quando esta exposição passou pela cidade de Aracaju eu aproveitei para gravar um vídeo para o canal do Arqueologia Egípcia no Youtube. O resultado abaixo:

Fonte:

Exposição internacional sobre o Egito chega a Natal. disponível em < http://natalpost.com.br/blog/natal/exposicao-internacional-sobre-o-egito-chega-a-natal >. Acesso em 07 de março de 2016.

O Museu Egípcio Itinerante está no Shopping Via Brasil, Irajá (RJ)

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

O Shopping Via Brasil está convidando todos vocês para visitar o Museu Egípcio Itinerante, que acabou de chegar na cidade do Rio de Janeiro. Em outra oportunidade fui prestigiar a exposição e gravamos um vídeo:

Abaixo informações sobre a exposição em Irajá (release disponibilizado pelo Shopping):

Até o dia 31 de dezembro, o Shopping Via Brasil, de Irajá, sediará a exposição Museu Egípcio Itinerante. Com foco na cultura do Antigo Egito, o projeto apresenta peças assinadas pelo artista plástico Essam Elbattal e busca disseminar a história da civilização egípcia. No espaço, os aventureiros podem observar itens relacionados à política, arte, economia e religião da época. A entrada custa R$10,00 por pessoa e está localizada no 1º piso, na entrada principal.

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

São cerca de 100 objetos expostos como as réplicas de peças famosas como “O escriba” e “O busto inacabado de Nefertiti”. Lançada em 1996, a exposição já ganhou mais de 150 edições, com passagem por cidades do Brasil e da América Latina. O Shopping Via Brasil funciona de segunda a sábado, das 10h às 22h, e domingos 13h às 21h e feriados das 15h às 21h e está localizado na Rua Itapera, 500 – Irajá – Rio de Janeiro. Mais informações pelo telefone (21) 3445-8850 ou pela fan page www.facebook.com/shoppingviabrasil.

Informações: 
Museu Egípcio Itinerante no Shopping Via Brasil

Período: até 31 de dezembro
Horário de funcionamento: segunda a sábado, das 10h às 22h, e domingos, das 13h às 21h.
Classificação: Livre
Entrada: R$10,00
Informações: (21) 3445-8850 ou www.shoppingviabrasil.com

Exposição: Animales y faraones: El reino animal en el antiguo Egipto (Madri)

Notícia enviada por João Guilherme Parisi, via Facebook.

Caros, o leitor João Guilherme enviou uma dica de exposição para aqueles que estão, ou irão para Madri (Espanha). Abaixo o texto dele:

Voltei de Madrid recentemente, e achei interessante compartilhar convosco sobre uma exposição — extremamente rica, por sinal — que o Caixa Forum Madrid (“La Caixa” Foundation) está promovendo. “Animais e Faraós: O Reino Animal no Egito Antigo” é composto apenas por artigos retirados do Musée du Louvre, conta com diversas estatuetas, pinturas, aquarelas (réplicas realizadas em meados de 1800) e múmias — junto com um programa que permite, através de um modelo tridimensional, rotacionar a múmia e observar como são por dentro, com indicações informativas — além de muito bem direcionada e explicada!

No site da fundação (http://obrasocial.lacaixa.es/nuestroscentros/caixaforummadrid/animalesyfaraones_es.html), pode encontrar um vídeo, informações e o folheto em pdf, que é curto, porém interessante.

No site é possível também consultar o endereço da exposição e os valores.

(Vídeo) Visitando o Museu Egípcio Itinerante (SE)

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

Na segunda-feira passada visitei o Museu Egípcio Itinerante e gravei algumas imagens para vocês. Diverti-me muito lá, caminhando com as câmeras e comentando o que via. Foi realmente uma experiência ótima que vocês poderão acompanhar no vídeo que gravamos para o Arqueologia Egípcia.

Muita gente não gosta, mas eu sinceramente não tenho problemas com exposições compostas por réplicas, desde que haja uma experiência sensorial, um contexto e um propósito educativo. Para quem não sabe é muito raro o público não acadêmico poder tocar em artefatos arqueológicos, isto porque muitos objetos originais podem ser frágeis e a gordura dos dedos aceleram a degradação destas peças. Com o uso de réplicas o público pode — se autorizado — se permitir a tocar, interagir, o que é bem legal, porque realmente pode ocorrer um diálogo com o objeto e não um afastamento não só tátil, como também visual.

Eu não estava muito empolgada para conhecer o interior da exposição, mas fiz uma visita preliminar ao espaço de vendas e fui muito bem recebida pela funcionária da área dos souvenires, que foi extremamente atenciosa, o que me convenceu a retornar para gravar algumas imagens.

No vídeo abaixo vocês poderão acompanhar um pouco como foi a minha visita:

Youtube | Facebook | Instagram Twitter

Não esqueçam de inscreverem-se no canal.

Contudo, nem tudo é perfeito e a exposição tem sim seus defeitos. Abaixo os pontos que merecem destaque:

As informações das peças em papeis: o que dá um ar de desleixo. Ainda não entendo porque tantos museus, itinerantes ou não, insistem em usar um pedaço de papel para por as legendas dos objetos expostos.

A exposição não é tão educativa: Não vi muitos problemas na ausência de monitores dentro a exposição. Eu até gosto, me sinto mais livre para explorar tudo da minha forma, contudo eu ainda acho a presença de alguém para tirar dúvidas e contar curiosidades bem necessária. É capaz de que as pessoas saiam com mais dúvidas do que quando chegaram. Algumas informações escritas também não ajudavam muito.

Fora que alguns objetos expostos são frutos da Egiptomania — ou seja, não são réplicas de artefatos existentes, são uma nova roupagem dada a eles —, e seria uma oportunidade ótima para o público se inteirar e deixar para trás os muitos estereótipos associados com a civilização egípcia.

Detalhes sobre a exposição em Aracaju-SE:

Local: Shopping Riomar
Entrada: R$10,00
Horários: De 10h00 até 22h00 (de acordo com o funcionamento do shopping).
A exposição irá até 19 de julho.
Grupos escolares devem ser agendados.
Site do Museu Egípcio Itinerante: www.museuegipcio.com.br

Informações e agendamento: (79 ) 8121.4334 | 9906.2206 | 9118.6301  | 8886.3587