464 artefatos arqueológicos egípcios foram recuperados pela polícia

Por Márcia Jamille | Instagram @MJamille

No último dia 09/11 foi divulgada a notícia de que a Polícia de Turismo e de Antiguidades da cidade de Fayum (Egito) conseguiu frustar a ação de bandidos que tinham em sua posse centenas de artefatos arqueológicos. A ideia dos ladrões era contrabandear os objetos para comerciantes de antiguidades no exterior.

Durante a ação policial foram recuperados 464 artefatos que somam mais de trezentos ushabtis, 12 estatuetas, faces de madeira, potes cerâmicos e 66 fragmentos de ataúdes.

Não foi esclarecido a qual período histórico essas peças pertencem.

Fonte: 

464 historical artifacts seized by police in Fayoum. Disponível em < http://www.egypttoday.com/Article/4/31709/464-historical-artifacts-seized-by-police-in-Fayoum >. Acesso em 13 de novembro de 2017.

 

Múmias em seus sarcófagos são encontradas flutuando em esgoto no Egito

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

De acordo com o “The Daily News Egypt” três ataúdes datados do período greco-romano foram encontrados flutuando no canal Nasseriya, no povoado de Auda Basha, próximo da cidade de Minya. Para o ministro das antiguidades do Egito, Youssef Khalifa, as múmias foram descobertas provavelmente durante uma escavação ilegal realizada por caçadores de tesouros. O abandono poderia ter sido resultado de descarte por parte dos próprios ladrões, que tentaram se livrar dos furtos provavelmente por medo de serem descobertos pela polícia.

Foto via Monica Hanna. 2015.

Assaltantes de sítios arqueológicos só realizam este tipo de atividade porque possuem compradores, seja um turista qualquer nas ruas do Egito, algum museu mal intencionado ou (e principalmente) pessoas influentes financeiramente.

Os objetos são feitos totalmente em madeira e mantêm parte da sua coloração original. Infelizmente nenhum deles contém textos hieroglíficos, mas dentro de dois foram encontradas múmias envoltas em linho, o terceiro estava vazio.

AFP

Os ataúdes estão em um péssimo estado de conservação, possivelmente devido ao seu contato com o esgoto e agora estão passando por um processo de restauro. Após essa intervenção os sarcófagos e suas respectivas múmias serão enviados para o Minya’s Hermopolis Museum.

Fonte:
Holy sh*t! Mummies float in Egyptian sewage! Disponível em < http://www.greenprophet.com/2015/02/holy-sht-mummies-float-in-egyptian-sewage/ >. Acesso em 09 de fevereiro de 2015.
Múmias são encontradas no esgoto no Egito. Disponível em < http://noticias.terra.com.br/mundo/africa/mumias-sao-encontradas-no-esgoto-no-egito,a727ef9a7296b410VgnCLD200000b1bf46d0RCRD.html >. Acesso em 09 de fevereiro de 2015.
Aparecen flotando en un canal de Minya (Egipto) tres sarcófagos de época greco-romana. Disponível em < http://terraeantiqvae.com/profiles/blogs/aparecen-flotando-en-un-canal-de-minya-egipto-tres-sarcofagos-de-#.VNkaDvnF8_b >. Acesso em 09 de fevereiro de 2015.
New mummies discovered floating in sewage in Upper Egypt. Disponível em < http://www.dailynewsegypt.com/2015/02/03/new-mummies-discovered-floating-sewage-upper-egypt/ >. Acesso em 09 de fevereiro de 2015.
Múmias são encontradas no esgoto no Egito. Disponível em < http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2015/02/mumias-sao-encontradas-no-esgoto-no-egito.html >. Acesso em 09 de fevereiro de 2015.

Polícia egípcia recupera três múmias roubadas

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

 

A Polícia Turística e de Antiguidades recuperou uma coleção de 11 artefatos faraônicos furtados de um sítio arqueológico em Fayum. Os itens estavam em posse de uma gangue especialista neste tipo de crime.

A crença de que estes objetos saíram diretamente de um sítio arqueológico está no fato de as peças não estão registradas nos documentos do Supremo Conselho de Antiguidades, ou seja, saíram de alguma escavação clandestina.

Coleção recuperada pela Polícia Turística e de Antiguidades. 2014.

Em meio à coleção apreendida estão três múmias datadas do Período Greco-Romano: duas mulheres e um homem, todos adultos.

Os demais artefatos compreendem rostos de sarcófagos arrancados do seu lugar original.

Os saques a sítios arqueológicos têm sido um problema endêmico no Egito desde a chegada dos europeus no país e a popularização dos antiquários e dos gabinetes de curiosidade. A prática atualmente é considerada crime, mas o comércio destes tipos de itens movimentam milhões no mercado negro.

Fonte:

Egyptian police confiscate three mummies from smuggling gang. Disponívem em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/98836/Heritage/Ancient-Egypt/Egyptian-police-confiscate-three-mummies-from-smug.aspx >. Acesso em 13 de abril de 2014.

Autoridades descobrem e autentificam 11 artefatos roubados

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

O Ministro das Antiguidades autenticou onze artefatos escondidos por salteadores e que foram posteriormente descobertos por inspetores em Houd Barhoum, Meet Rahina, Giza.

Em um comunicado na quinta-feira, o Ministro das Antiguidades, Ahmed Eissa, disse que as peças confiscadas datam das eras gregas e romanas, e que elas serão postas em armazéns do ministério em Meet Rahina, onde foram originalmente roubadas.

Eissa disse que ele está ansioso para recuperar antiguidades roubadas em meio a falta de segurança que se seguiu à revolução de 25 de janeiro.

Situações de roubos de artefatos só ocorrem porque existe um público avido para adquirir peças arqueológicas, mas isto constitui um crime tanto no Egito, como no Brasil. Não comercialize e nem compre peças arqueológicas.

Fonte:

Tradução parcial de: Authorities discover and authenticate 11 stolen artifacts. Disponível em < http://www.egyptindependent.com/print/1797781 >. Acesso em 30 de maio de 2013.

863 artefatos retirados de escavações clandestinas foram recuperados por polícia egípcia

Por Márcia Jamille Costa| @MJamille

 

Hoje no Cairo, dia 22 de Janeiro (2013), o Ministério Egípcio das Antiguidades lançou um comunicado oficial anunciando a apreensão de 863 artefatos que estavam sendo transportados ilegalmente em um caminhão pela estrada que une o Cairo e Suez.

 

863 artefatos retirados de escavações clandestinas foram recuperados por polícia egípcia. Imagem disponível em < http://noticias.lainformacion.com/arte-cultura-y-espectaculos/arqueologia/las-autoridades-egipcias-se-incautan-de-mas-de-800-antiguedades-de-contrabando_CZancynLNEjELKBsc54ac/ >. Acesso em 22 de Janeiro de 2013.

 

Os artefatos foram datados do Período Faraônico, Romano e Islâmico e dentre estas peças estão 120 moedas do Período Ptolomaico e outras 407 do Período Romano.

Fonte da notícia:

Las autoridades egipcias se incautan de más de 800 antigüedades de contrabando. Disponível em < http://noticias.lainformacion.com/arte-cultura-y-espectaculos/arqueologia/las-autoridades-egipcias-se-incautan-de-mas-de-800-antiguedades-de-contrabando_CZancynLNEjELKBsc54ac/ >. Acesso em 22 de Janeiro de 2013.

Após roubos de artefatos arqueológicos, dois homens são presos

Matéria traduzida por Márcia Jamille Costa | @MJamille

Dois suspeitos de posse ilegal de 50 artefatos foram presos em Fayum nesta quinta-feira (03/01/13).

A polícia de turismo e antiguidades recebeu a informação de que os dois suspeitos, que são irmãos, tinham sido vistos em várias áreas do Fayum, que são famosas como rotas de comércio de antiguidades. A polícia começou a observá-los de perto e em seguida pegou os suspeitos em uma emboscada.

As antiguidades que foram apreendidas incluem 25 moedas Greco-Romanas e 10 estátuas, incluindo bustos dos deuses Amon e Osíris e estátuas dos deuses Hórus e Anúbis. Seis máscaras de madeira do período Greco-Romano de diferentes tamanhos e cores também foram apreendidas.

Os suspeitos confessaram a polícia que eles pretendiam vender os artefatos.

Eles atualmente estão aguardando julgamento.

Matéria original:   Two arrested in Fayoum for possession of artifacts. Disponível em < http://www.egyptindependent.com/news/two-arrested-fayoum-possession-artifacts  >.Acesso em 03 de Janeiro de 2013.

1.000 peças foram roubadas do Egito

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

O resultado final do número de peças roubadas do Egito durante os protestos para o afastamento Mubarak do governo já saiu. De acordo com o Dr. Zahi Hawass cerca de 1.000 artefatos foram levados do país, a maioria deles não são peças de interesse do público geral, mas possui valor para o patrimônio, assim como toda e qualquer peça arqueológica.

O resultado do relatório será enviado para a UNESCO e ONU na esperança de recuperá-las. Dentre alguns dos locais invadidos pelos saqueadores estão o Museu Egípcio do Cairo, Saqqara e o platô de Giza.

 

 

Museu Egípcio do Cairo. Disponível em < http://wingstoafrica.com/egyptian-museum-cairo-2.html > Acesso em 28 de Janeiro de 2011.

 

 

Hawass tem esperança de que os objetos não consigam sair do país. Alguns já foram entregues e prisões foram feitas, mas existe ainda um longo caminho para se percorrer.  

 

 

Um histórico de roubos

 

Os roubos de peças arqueológicas egípcias não ocorreram somente porque o país estava em uma crise política. Tais crimes fazem parte da história da Arqueologia Egípcia, tanto que existem quadrilhas especializadas para tal, são famílias inteiras ou associações que sabem o valor incalculável do patrimônio egípcio. O problema é que são crimes que normalmente pouco interessa para a imprensa.

Antes da invasão Napoleônica o país já era alvo de saques tanto internos como externos e permaneceu assim até que pessoas como Rifa’a el-Tahtawy (1801 – 1873) conseguiram despertar em muitos egípcios o respeito ao patrimônio antigo obrigando então o vice-rei Mohammed Ali (1769-1849) a emitir uma portaria em 1835  que proibia o excesso de exportação de peças arqueológicas. O decreto foi falho, mas a situação mudou com a presença do egiptólogo francês Auguste Mariette (1821 – 1881) no Egito. Mariette também era um “caçador de tesouros” até que resolveu mudar de lado e tentar proteger o patrimônio egípcio tornano-se então 1858 o primeiro diretor do Service des Atiquités (Hoje SCA) onde procurou combater os roubos e organizar espaços de reservas técnicas para as peças retiradas das escavações. Livros tombos foram realizados e ladrões de tumbas penalizados.

 

 

Imagem de Rifa'a el-Tahtawy. Disponível em Acesso em 14 de Abril de 2011.

 

 

Os diretores egípcios do SCA, em especial Zahi Hawass que está atualmente no cargo, possuem vínculos com a UNESCO e a ONU o que possibilita um dialogo internacional para a devolução de peças roubadas.

Como os saques aos sítios arqueológicos ainda é um mercado em expansão o SCA junto ao governo egípcio busca intervir em aeroportos para tentar impedir que peças saiam do país não só pelas mãos de quadrilhas, como também por turistas buscando levar consigo um objeto proveniente dos sítios.   

 

Notícia retirada de “About ‘1,000 Relics’ Stolen During Egypt Uprising”. Disponível em < http://news.discovery.com/archaeology/egypt-uprising-looted-artifacts-110410.html> Acesso em 14 de Abril de 2011.

 

Hawass fala sobre os artefatos furtados

Tradução: Márcia Jamille Costa | @MJamille

Publicado blog do Dr. Zahi Hawass (no dia 16 ou 17 de fevereiro de 2011, infelizmente as mensagens do site dele não são mais datadas) temos mais um texto com dados dos trabalhos do SCA para averiguar os danos realizados por quaisquer atividades de furtos de antiguidades e a busca pelas peças sumidas do Museu Egípcio. Abaixo a tradução integral, mas caso tenha alguma sugestão para o texto, por favor, escreva para marcia@arqueologiaegipcia.com.br:

 

Atualização sobre o estado atual das antiguidades

Dr. Zahi Hawass, Ministro do Estado para as Antiguidades, anunciou hoje que uma comissão de arqueólogos completou uma busca preliminar no Museu Egípcio e seus arredores. O desaparecido Escaravelho do Coração de Yuya foi encontrado na zona oeste dos jardins do museu perto da livraria nova. Fragmentos de madeira pertencente ao danificado sarcófago do Novo Império, repousado no segundo piso do museu, também foram encontrados nesta mesma área. A equipe de busca também encontrou um dos onze shabts faltosos de Yuya e Tuya debaixo de uma vitrine. Fragmentos pertencentes a estátua de Tutankhamon sendo transportado pela deusa Menkaret foram encontrados; Todos os fragmentos localizados pertencem à figura de Menkaret. A pequena figura do rei não foi encontrada.

Dr. Zahi Hawass disse que ao que parece os saqueadores deixaram cair objetos durante a fuga, e cada centímetro do museu deve ser vasculhado antes do Registro, Gestão de Coleção, e Departamento de Catalogação, que está supervisionando o inventário, pode produzir um relatório final completo do que está faltando exatamente. A equipe do museu não está ainda em condições de deslocar-se livremente dentro do museu, e tem, até agora, que andar em grupos de 10 – 15 pessoas, acompanhados por soldados. Infelizmente, isto tem deixado as buscas lentas, e tornado muito difícil a realização de um inventário final. O exército está permitindo pouquíssimas pessoas entrar no museu, e a primeira vez que o pessoal do escritório do museu foi permitido entrar foi em 6 de Fevereiro de 2011. A lista anunciada em um comunicado a impressa em 12 de Fevereiro, 2011, é preliminar e continuará a ser atualizada a medida que novas informação vêm à luz. Como o Dr. Zahi Hawass declarou anteriormente até que a completa e exaustiva busca no museu e seus arredores esteja completa e todas as vitrines danificadas inventariadas, a lista de objetos desaparecidos não estará finalizada.

Um dos onze shabti ausentes pertencentes a Yuya. Foto: Museu Egípcio do Cairo. Retirado de dr.Hawass. Disponível em < http://www.drhawass.com/blog/update-current-state-antiquities > Acesso em 17 de fevereiro de 2011.

Dr. Zahi Hawass gostaria de esclarecer suas declarações anteriores de que nada estava faltando. Durante a primeira passagem do grupo de busca pelo o museu, objetos que primeiramente pensava-se que estavam faltando foram encontrados jogados dentro de latas de lixo e cantos mais distantes de seu local original, e ele tinha sido levado a acreditar que uma varredura completa do museu poderia ter sucesso em localizar os objetos desaparecidos. Contrabandistas* normalmente seriam cuidadosos para não danificar os objetos que planejam tomar. Assim a impressão inicial era de que os atacantes eram vândalos em vez de ladrões. Ele foi também mal informado por um dos funcionários do museu sobre a estátua de Akhenaton com uma bandeja de oferendas; foi-lhe dito que ela foi somente danificada enquanto, de fato, desaparecida. Em acréscimo para expressar o que ele então firmemente acreditava, que a equipe do museu continuaria** a localizar os objetos desaparecidos. Suas intenções com estas declarações anteriores foram para tranqüilizar o mundo de que o dano no museu, apesar de trágico, foi muito menos terrível do que o temido de início, e para deixar claro que a maioria das maiores obras-primas do museu, incluindo a máscara de outro de Tutankhamon, estavam salvas.

AFP (não, como reportado na impressa egípcia, CNN) veiculou que a famosa máscara de ouro de Tutankhamon foi roubada. Isto é totalmente falso. Semana passada, Dr. Zahi Hawass levou vários representantes da impressa, incluindo ABC World News, NBC, Associated Press, e Reuters, dentre outros, para o Museu Egípcio, Cairo. Todos os repórteres e jornalistas puderam ver, fotografar, e filmar a máscara situada segura em sua galeria que está atrás de um portão de ferro que os ladrões foram incapazes de adentrar. Em acréscimo, os dois sarcófagos de ouro e os itens encontrados por Howard Carte na múmia em 1925, todos os quais estão na mesma galeria, estão bem seguros. Dr. Hawass expressou seu desapontamento com a AFP por anunciar uma história tão sensacionalista sem antes verificar os fatos. As 13h30 de ontem, Dr. Hawass recebeu uma ligação do Sr. Riad Abu Awad, o chefe do escritório da AFP no Egito. Ele negou que sua agência negligenciou a história. No entanto, muitos jornais online parecem ter citado diretamente a AFP (North Korean News, Caribbean News, All Voices, Nvision UG Monitr, Nevada State News). Hoje, Dr. Zahi Hawass levou membros da impressa para o museu para mostrar que a máscara está salva.

No domingo, Dr. Hawass recebeu o relatório preparado pelo comitê que ele tinha enviado para verificar o depósito De Morgan em Dahshur; de acordo com este relatório todos os grandes e pequenos blocos estão salvos. Os únicos itens que faltam parecem ser pequenos amuletos. Arqueólogos no local tinham instalado previamente um portão de ferro e garantiu que vigias guardassem o depósito. Apesar destas precauções, Dr. Hawass anunciou que o depósito foi atacado pela segunda vez segunda-feira à noite, e os ladrões foram capazes de dominar e amarrar os guardas. Dr. Hawass nominou um novo comitê para averiguar o atual estado do depósito.

Um comitê para revisar o depósito de Qantara Oeste no Sinai, também foi nomeado pelo Dr. Hawass. Este depósito sofreu um arrombamento na noite de 28 de Janeiro, 2011; ladrões roubaram caixas cheias de objetos, dos quais, até a data, 298 foram devolvidos***. O comitê conduzirá um inventário completo e comparará com o inventário anterior para determinar se tudo ou não foi devolvido.

Dr. Hawass disse que as notícias mais importantes de hoje foi a que o Escaravelho do Coração e o shabit foram encontrados nas dependências do museu ele tem fé que o comitê que ainda fazem a busca no museu possam localizar mais dos objetos perdidos.

 *Professionals out to steal would (…)” Não entendi o que ele quis passar com a frase, “contrabandistas” parecia fazer sentido.

** “ (…) which was that museum staff would continue (…)”.

*** Não sei julgar se é a mesma história, mas um boato que rondou na época dos protestos era de que tuaregues teriam entregado cerca de 200 artefatos, que segundo dizem teriam sido roubados outrora, ao conselho de antiguidades.

Zahi Hawass. Retirado de: Jean-Claude Aunos Photographe. Disponível em < http://www.jca-photo.com/portraits.html> Acesso em 12 de Fevereiro de 2011.

Estátua de Akhenaton encontrada?

Estátua de Akhenaton pode ter sido encontrada

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille 

De acordo com o blog Luxor News, escrito por Jane Akshar, Mansour Boraik teria afirmado que a estátua sumida de Akhenaton foi encontrada. Até agora esta é a única fonte de notícia disponível, não existe nada oficial ainda.

 

O trecho retirado do blog de Jane Akshar onde contém tal afirmação:

“A estátua de Akhenaton foi encontrada! Pelo o telefone e muito excitando Mansour Boraik estava muito feliz em dizer que a estátua tinha sido encontrada”.

 

Akshar postou esta texto hoje (16 de Fevereiro de 2011). Recebi a notícia via twitter por @archaeologynews  

UPDATE – 17 de Fevereiro de 2011

 

O leitor @leonardoborges, via twitter enviou para mim um updade feito por Jane Akshar com a mesma mensagem que a Thatyane postou aqui nos comentários:

 

“Sorry my mistake Mansour was saying they expected to find, whoops apologies”

“Perdão pelo meu erro Mansour disse que esperava encontrar, mil perdões”

 

No entanto já temos uma notícia diferente na mesma página de Akshar que confirma que de fato a estátua foi encontrada, ou melhor, devolvida, notícia que pode ser encontrada no link Egyptian family returns Pharaonic statue to Department of Antiquities, cuja tradução da primeira parte vocês podem conferir abaixo:

 

“Família egípcia devolve estátua faraônica ao Departamento de Antiguidades

O Departamento Egípcio de Antiguidades recebeu a estátua de Akhenaton, um dos oito itens roubado por ladrões do Museu Egípcio em 28 de Janeiro. Ela foi devolvida ao museu por Sabri Abdel-Rahman , um professor da Universidade Americana do Cairo, declarou o departamento.

A estátua foi encontrada perto de uma lata de lixo na Praça Tahrir durante os protestos pró-democracia pelo o filho de Abdel-Rahman. Abdel-Rahman imediatamente contatou o Ministro de Antiguidades e Turismo.”

(…)

Família egípcia devolve estátua faraônica ao Departamento de Antiguidades. Foto: المصري اليوم . Disponível em < http://www.almasryalyoum.com/en/news/egyptian-family-returns-pharaonic-statue-department-antiquities > Acesso em 17 de Fevereiro de 2011.

 

Ao todos então já são quatro peças encontradas.

UNESCO quer resgatar peças roubadas

Texto retirado na integra do site defender.org.br. Recebido via twitter @patrimonio)

Unesco vai atuar com parceiros internacionais para resgatar peças roubadas de museu no Egito

 

Por  Silvana Losekann

 

A  Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) apelou ontem (15) para que o mundo preserve a herança cultural da humanidade presente no Egito. A reação é uma resposta aos roubos de pelo menos 18 peças do Museu Egípcio do Cairo, registrados durante a onda de protestos contra o governo. A Unesco informou que será feita uma força-tarefa com parceiros internacionais na tentativa de resgatar as peças roubadas.

A Unesco pretende atuar em conjunto com a Organização Internacional de Polícia Criminal (a Interpol), a Organização Mundial das Alfândegas, o Centro Internacional para Estudo e Restauração de Propriedade Cultural e o Conselho Internacional de Museus.

“[Apelamos para que] autoridades, comerciantes de arte e colecionadores de todo o mundo estejam atentos às relíquias desaparecidas”, diz o comunicado.

Na relação de peças roubadas do museu estão uma estatueta de madeira coberta de ouro do faraó Tutankhamon transportado por uma deusa, os braços e o dorso de uma estátua do rei Akneton, a cabeça de uma estátua de Aremisca, entre outras obras. As autoridades acreditam que o roubo ocorreu na noite do último dia 11.

“É particularmente importante verificar a origem da propriedade cultural que pode ser importada, exportada ou oferecida para venda, sobretudo na internet”, afirmou a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova,

“Essa herança é parte da história da humanidade e da identidade do Egito. Não podemos permitir que desapareça em mãos sem escrúpulos ou corra o risco de ser danificada ou mesmo destruída”, acrescentou.

Segundo a diretora, é fundamental que colecionadores e comerciantes colaborem no esforço de resgatar as peças. “Mas também chamo a atenção das forças de segurança, dos agentes aduaneiros, dos comerciantes de arte, dos colecionados e das populações locais para fazerem tudo para recuperar essas peças de valor inestimável”, afirmou Bokova.

 

Retirado de: Unesco vai atuar com parceiros internacionais para resgatar peças roubadas de museu no Egito. Disponível em < http://www.defender.org.br/unesco-vai-atuar-com-parceiros-internacionais-para-resgatar-pecas-roubadas-de-museu-no-egito/> Acesso em 16 de Fevereiro de 2011.